Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Você sabia que 46% das pessoas mentem em seus CVs?

Luanda /
08 Set 2021 / 11:12 H.
Daniel Sapateiro

“A verdade da mentira nos Curriculum Vitae” é o tema desta semana, vulgo “CV” é um tema recorrente entre pessoas dos 0 aos 100 anos, em particular as que fazem da “população activa”, empregada ou desempregada, em particular as que estão desempregadas e na procura activa de emprego.

Sendo que o desemprego é um flagelo social mundial, logo o tema é pertinente, já que os países em vias de desenvolvimento como Angola sofrem mais com a questão do desemprego estrutural, de longa duração, com o subemprego (pessoas empregadas, mas que executam tarefas diferentes da sua formação académica e profissional), e com os despedimentos em massa por conta do Covid 19 de 2020, 2021... e tal regista-se, em Angola, em praticamente todos os sectores da economia.

Para a elaboração deste artigo socorri-me de várias pesquisas, mas quis mais a fundo, quando de uma forma anónima submeti há alguns meses um questionário a cerca de 100 estudantes universitários, de diferentes anos académicos, género, entre outros parâmetros, sendo que as idades vão dos 19 a 42 anos de idade. O objectivo era obter informações comportamentais sobre um conjunto de indivíduos que, de forma genérica, se podem considera como representativa de angolanas e angolanos.

No que tange às candidaturas a emprego e no que envolve o CV, obteve-se os seguintes resultados:

Pode concluir-se que a média dos jovens que já mentiram nos CV é de quase 47%, quase metade. A percentagem maior é nos intervalos nas idades de 25 e 35 anos em diante, muito, provavelmente pela questão que muitos anúncios de emprego colocam os limites nos 30 e 40 anos de idade, e os jovens na ânsia de serem seleccionados, «biznam» (mentem) nos CV.

No inquérito ainda fomos mais longe, quis-se saber se o jovem considera que já teve vantagem e conseguiu emprego por este tipo de estratégia, diga-se errada. Vamos ver os resultados, no mesmo universo de cem (100) jovens:

Como podemos ver em cima, tanto no gráfico como na tabela, a média é de que em cada 3 tentativas, 1 delas foi bem conseguida. E, alegadamente, quanto mais a idade, mais se mente e mais se consegue vantagem mentindo no CV. De novo vem a questão de que a idade pesa na menor captação de candidatos, pelo que estes com o evoluir da idade, tendem a ter menos oportunidades, logo a tentar «tudo por tudo»!

As mentiras mais comuns nos CVS que advêm do inquérito:

- Históricos profissionais incompletos: 70%

- Razão da saída de empregos anteriores: 90%

- Cargos em que os candidatos dizem ter ocupado em sua carreira, porém, não os ocuparam: 45%

- Formação académica: 85%

- Fluência em idiomas com exageros: 70%

A razão maior para a elaboração deste artigo aconteceu há meses e com origem num processo de selecção que realizei, com uma recepção de mais 500 CV por e-mail. Destes 500 foram seleccionados 20 e destes 20, foram feitas chamadas telefónicas com os candidatos para uma primeira entrevista telefónica. Destes 20, ficaram 5 candidatos e deram-se a primeira ronda de entrevistas presenciais. Dos 5 convidados, apareceram 3. Os outros 2 nunca comunicaram a sua ausência. Dos 3 entrevistados, foi escolhida uma candidata.Resultado: não passou da primeira semana do período experimental. E porquê?

- Na fase de trabalho no tempo experimental, a pessoa demonstrou desconhecer o trabalho, a técnica contabilística que no CV e na entrevista alegava conhecer e saber fazer.

- A informática e o inglês eram deficientes, pese embora no CV estive: curso feito...

Quanto custa às empresas as mentiras nos CV, colaboradores empregues e que são despedidos?

- Dinheiro investido na elaboração dos anúncios de emprego, recolha, leitura, triagem dos CV, ligações telefónicas, tempo das entrevistas e a produtividade inconsequente, ferramentas de

trabalho para o novo colaborador, formação, etc;

- Expectativas geradas até quando se apresenta um novo colega no seu primeiro dia. Criam-se mecanismos nas empresas com a chegada da tal pessoa experiente e que depois se prova, que a candidatura foi uma fraude.

- Coloca-se em causa no futuro dos processo de recrutamento, sendo que algumas vezes, se faz em regime de outsourcing (o processo passa para uma empresa de recrutamento).

- Cada vez mais se busca dentro das empresas a solução e muitas vezes estão. Conheça os seus funcionários e deles tirarão o máximo deles.

Candidatos e Pessoal dos Recursos Humanos. Deixo-vos um ideia que é largamente aceite nos gestores, decisores empresariais e nos quadros que trabalham nos departamentos de recursos humanos/capital humanos:

Mais que um currículo com formação nas melhores universidades e passagens por grandes empresas, os especialistas em RH e decisores procuram nos candidatos pontos positivos sobre o carácter dos candidatos, pontos de personalidade que possam ser diferenciadores e «matéria-prima » para o alcançar dos objectivos e metas das empresas. Tratase dos “soft skills”, traços de personalidade com os quais as empresas se revêm e muitas das vezes estão nos “Valores” da empresa: honestidade, lealdade, ética, bom senso, força de vontade, qualidade e ao serviço do cliente, respeito, disponibilidade, superação, etc.

Não minta nunca no CV. O seu CV é o seu «passaporte» para quem quer viajar no mundo do emprego por conta de outrem. Seja criativo, mas não a ponto de que aquele documento ter informações imprecisas e falsas sobre si, pois o CV é seu e quer dizer: “Percurso da sua Vida”.

* Economista e docente universitário