Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Contratos futuros uma solução de ganhos vantajosos

Luanda /
24 Nov 2020 / 10:33 H.
André Samuel

A plataforma de negociação de contratos futuros para o sector do agronegócio registou até ao momento uma taxa de sucesso de 70%, ou seja, da meta de mil contratos assinados previstos para o presente ano, já foram concretizados 706 acordos de compra e venda. Os contratos em causa referem-se aos acordos entre os produtores e operadores de comércio e distribuição, incluindo importadores, superfícies comerciais, dentre outros.

Este resultado animador, principalmente diante da actual conjuntura adversa imposta pela pandemia da COVID-19, infelizmente não é suficientemente tranquilizador para assegurar que a meta dos 10 mil contratos estabelecida para 2022 se cumpra.

Não ao menos que haja uma transformação de consciência dos principais intervenientes neste mercado. Quero com isso dizer que, a mensagem propalada de que esta modalidade de negócio vai garantir aos camponeses, produção capaz de atender a procura do mercado, de que se espera um alívio aos actuais constrangimentos que a cadeia produtiva e a de distribuição ainda enfrenta, traduz a vantagem apenas para um dos polos da mesa.

A mensagem deve ser completada com o cabaz de vantagens para o comprador que garante no presente a blindagem do preço de compra, assegurando que factores como a desvalorização da moeda nacional, bem como, a subida generalizada dos preços não corroa o seu poder de compra e ponham em perigo a reposição do stock no futuro.

Esta percepção das vantagens, associadas a mecanismos que reforcem a segurança no cumprimento dos respectivos contratos, farão aumentar o volume de negócios e mais do que alcançar a almejada meta, criar o mecanismo avançado de implementação de uma Bolsa de Mercadorias do Campo no País.

É reconfortante saber que o apoio institucional está presente e actuante como se verifica no processo de inserção dos contratos na plataforma electrónica para a compra futura que está a ser feito através das direcções nacionais do Comércio Externo, Indústria, Agricultura, Pescas, Serviços Veterinários e os Gabinetes Provinciais para o Desenvolvimento Económico Integrado (GPDEI), isso no quadro da nova dinâmica do mecanismo de fiscalização e controlo do cumprimento do Decreto Presidencial 23/19, relativo ao acesso ao mercado interno.