Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Volume de negócios crescem 49% e lucros duplicam no Porto do Soyo

O resultado líquido do exercício cifrou-se em 994,4 milhões, contra os 386,4 milhões Kz do ano de 2019.

Luanda /
19 Jul 2021 / 16:51 H.

A Empresa Portuária do Soyo (EPS-EP) registou um aumento no volume de negócios de 49,53% em 2020, segundo o relatório de gestão da Instituição divulgado pelo Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE).

De acordo com o CEO do EPS-EP, João Zumba, a crise pandémica tenha afectado negativamente o tráfego de navios, por quanto houve um registo de 787 escalas em 2020, contra as 1830 ocorridas no ano anterior, ou seja, uma redução de 43%. Toda via, o tempo médio de permanência dos navios no cais aumentou, facto que contribuiu para o aumento da receita média.

“Em 2020 o volume de negócios cifrou-se 49,5% mais do que atingido em 2019. Na sua composição, a rubrica prestação de serviços apresentou um valor de 1,9 mil milhões, outros proveitos operacionais, representaram 461,2 milhões Kz, perfazendo ambas, um total de 2,3 mil milhões” relata Zumba, na missiva da administração.

O resultado líquido do exercício espelha um lucro de 994,4 milhões Kz, acima do dobro de 386,4 milhões Kz do ano de 2019.

“Relativamente à situação do balanço, houve uma melhoria significativa no valor do capital próprio, correspondente a 55,20% em relação ao ano de 2019, cifrando-se em 1,4 mil milhões Kz, contra 964,8 milhões de 2019, traduzindo o efeito do aumento do activo corrente, por evolução favorável da conciliação das contas a receber” menciona o CEO.

Respectivamente ao activo corrente observou-se, um aumento saindo 62% para os 67%, por outro lado o activo não corrente, registou uma redução do seu peso no total activo, o qual cifrou-se em 33%, contra os 38% do ano anterior.

No que diz respeito ao passivo corrente manteve-se como 99% do total do passivo, à semelhança que aconteceu em 2019. O passivo não corrente, por sua vez, também não teve qualquer variação percentual entre os dois exercícios assumindo um impacto insignificante sobre a actividade da empresa.

Estratégia de desenvolvimento

A Administração da EPS-EP definiu os principais eixos da estratégia de desenvolvimento sustentado, referentes aos próximos anos, com o objectivo de manter-se como uma referência no mercado da transportação marítima, com um nível de rentabilidade sustentável, baseado na excelência das suas operações.

Segundo a base para a estratégia de crescimento da EPS-EP, está no seu Plano de Negócio, cujos aspectos preponderantes substanciamse em tomar o porto do soyo mais eficiente, moderno, compectitivo e seguro, convertendo-o numa referência de qualidade em Angola e em África.

Agrega-se ainda a estratégia, o Reforço a posição competitiva do porto do Soyo, através do melhoramento das infra-estruturas, acessibilidades marítimas e terrestres ao porto, envolvimento dos agentes privados nas actividades portuárias e a melhoria da sua eficácia e capacidade estratégica.

“Em resumo, os grandes desafios que no momento actual se colocam ao porto do Soyo prendem-se com a necessidade e urgência em normalizar as concessões e as relações com os concessionários e em configurar outras potenciais actividades susceptíveis de criar valor para o Porto” espelha o relatório de gestão.

Com relação ao parecer do conselho fiscal que acompanhou as actividades desenvolvidas pela EPS-EP, verificou os registos contabilísticos e o cumprimento das disposições legais e quanto as demonstrações financeiras de 2020 evidenciaram um activo de 2,6 milhões Kz, passivo de 1,2 milhões, um capital próprio de 1,4 milhões Kz, com um resultado líquido de cerca de 994,5 milhões Kz.

O relatório independente feito pela Bakertilly Angola, Lda, refere que as demonstrações financeiras apresentam de forma apropriada, em todos os aspectos materialmente relevantes, a posição financeira da empresa.

Recomendações do auditor independente

“É da responsabilidade do Executivo, a apreciação do estatuto orgânico da empresa, já em posse dos Ministérios das Finanças e dos Transportes, desde Fevereiro de 2019 e, consequentemente, a realização do capital estatuário da empresa, nos termos da lei”.

Responsabilidade do Conselho de Administração

“Com vista a solucionar de forma segura e consistente as situações, deverse-á dar seguimentos a implementação do programa de reorganização interna, em curso na empresa, com realce para a adopção de controlos internos adequados e integração informatizada dos sistemas mais relevantes da empresa”.