Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Produção da Condutek aumenta 33% em tempo de COVID-19

Para assegurar a qualidade da produção a Condutek investiu em equipamentos de fabrico inglês e software de referência

Luanda /
01 Set 2021 / 08:10 H.

A Condutek registou um aumento de 33% na produção de condutas no exercício económico de 2020, comparativamente a 2019, segundo o gestor de negócios, Bruno Antunes, que falou ao Jornal Mercado sobre o desempenho daquela unidade fabril nos últimos cinco anos.

O aumento da produção deveu-se à procura de condutas para ventilação e ar condicionado (AVAC) por parte dos hospitais de campanhas de combate à COVID-19 instalados no País, laboratórios de análises clínicas e outras unidades do sector da saúde.

A Condutek (unidade fabril com capacidade para produzir mil toneladas de chapa galvanizada, inox e alumínio por ano) é das poucas empresas no País que manteve as operações durante a fase pandémica mais crítica, “tendo em conta o compromisso assumido com os clientes, num momento que também exigia maior solidariedade”.

Apesar do crescimento verificado no ano passado, a “Condutek produz metade da capacidade instalada, face à baixa procura, embora as condutas produzidas cá têm os mesmos padrões de qualidade das importadas. Quer seja para hospitais, habitações, assim como para edifícios de serviços, infra-estruturas industriais e empresas.

O fabrico de condutas e outros produtos naquela unidade fabril, explica Bruno Antunes, obedece as normas de qualidade europeia; aliás, a matéria-prima é certificada. “A chapa galvanizada tem 275 gramas de zinco por metro quadrado”.

Para assegurar a qualidade da produção, segundo o gestor de negócio, a Condutek investiu em equipamentos de fabrico inglês, software de referência e aposta na formação contínua dos trabalhadores.

A indústria nacional está em condições de satisfazer a procura do mercado interno (disse), mas tem encontrado vários constrangimentos, principalmente o facto de a maioria dos clientes optar por importar condutas, causando assim concorrência desleal.

Bruno Antunes defende a adaptação de medidas proteccionistas para a defesa dos industriais nacionais do ramo, ante ameaça dos produtores estrangeiros. “É importante que se tenha maior controlo, se possível bloquear a importação de condutas”.

O volume de negócio da Condutek é de pelo menos 800 milhões de Kwanzas por ano. A maior facturação da empresa foi de mil milhões Kz. Tem como principais clientes as maiores empresas de construção civil do País.

“A empresa a curto prazo prevê certificar o produto sob as normas internacionais em curso para IANORQ com o apoio da Associação das Indústrias de Materiais de Construção de Angola (AIMCA)”.