Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Luanda concentra 52% das unidades transformadoras

Do total de 8 740 empresas registadas como Indústrias Transformadoras no país, até 2018, mais de 6 900 (80 por cento) dividem-se geograficamente entre cinco províncias, designadamente Luanda (52 por cento), Benguela (10), Huíla (7,5), Cabinda (6,5) e Huambo (4,7).

Luanda /
05 Abr 2021 / 11:05 H.

No outro extremo, as províncias do Bié, Cunene, Cuando Cubango e Lunda-Sul acolhem apenas 99 empresas do sector ou cerca de 3,4 por cento das empresas industriais em actividade.

De acordo com o Ministério da Indústria e Comércio, a estratégia a seguir vai consistir na reactivação das unidades paralisadas, uma vez que os dados mais recentes apontam para uma cifra menor de só 2 873 encontrarem-se em actividade; uma pequena minoria tinha actividade suspensa (2,8 por cento) ou havia sido dissolvida (0,1).

Investimento

O Plano de Desenvolvimento Industrial de Angola (PDIA 2025), no seu terceiro eixo, atribui 74 por cento do orçamento de 120 milhões USD para as infra-estruturas de localização industrial, representando a maior fatia do orçamento ou o equivalente a 62 por cento do total.

Um outro eixo que receberá a segunda maior fatia do orçamento é o quarto sobre o Tecido Industrial. Concentra 22 por cento do orçamento, cerca 26,4 milhões USD, destinados à implementação de dois subprogramas-chave, concretamente apoio às micro, pequenas e médias empresas industriais e melhoria do Sistema Nacional de Qualidade.

Conforme a estratégia de industrialização, seguem-se os dois eixos remanescentes, igualmente estruturantes, mas menos exigentes do ponto de vista do financiamento, no caso o primeiro, que aborda o quadro legal, regulamentar e institucional e o segundo do capital humano, que contarão com 7,7 e 4,7 por cento do orçamento previsto, isto é, 9,3 e 5,6 milhões de dólares, respectivamente.

Nesse sentido, vão ser os subprogramas de reforço institucional dos serviços do Ministério da Indústria e Comércio e respectivos institutos, no primeiro eixo, e a melhoria da empregabilidade, através de uma maior proximidade entre empresas industriais e instituições de ensino-formação relevantes, as categorias em que se prevê gastar a maior fatia do orçamento sectorizado, cerca de 7 e 2,6 milhões de dólares.