Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

China pede a bancos para suportar mercado imobiliário

As autoridades querem assegurar que o sector financeiro não corta o financiamento ao sector imobiliário, evitando situações de contágio devido à Evergrande.

Luanda /
30 Set 2021 / 09:09 H.

A China pediu às instituições financeiras que ajudem os governos locais a estabilizar o mercado imobiliário, um sinal que o país está preocupado com a situação do sector, após o caso Evergrande ter deixado a descoberto a fragilidade do imobiliário.

De acordo com o Negócios, num encontro com o governador do banco central Yi Gang, as autoridades pediram aos bancos que cooperassem com os governos “para em conjunto manter o estável e saudável desenvolvimento do mercado imobiliário e salvaguardar os direitos e interesses legítimos dos consumidores de habitação”, segundo um comunicado emitido pelo Banco Popular da China e citado pela Bloomberg.

No encontro estiveram membros dos reguladores, o ministro da habitação e executivos de 24 bancos, aos quais foi pedido que cumpram com precisão o sistema de gestão prudencial de financiamento de imóveis com o objectivo de “estabilizar os preços dos terrenos, da habitação e as expectativas”.

Os reguladores terão ainda pedido aos bancos que não cortem o financiamento a todos os promotores imobiliários de uma vez, segundo adiantou uma fonte à agência de notícias. O objectivo de Pequim é, assim, que os bancos continuem a suportar os projectos em construção e aprovem créditos para quem está a pensar comprar casa, desde que tenha sido qualificado para tal.

Estas medidas surgem depois da China ter argumentado que o sector imobiliário no país é “saudável” e os direitos dos proprietários estão protegidos, apesar da situação de grave fragilidade financeira do gigante Evergrande, que ameaça deixar 1,5 milhões de compradores à espera das suas casas.

“O encontro reforma as medidas das autoridades chinesas para lidar com os riscos de um potencial contágio criados pela Evergrande”, defende Jun Rong Yeap, um estratego da IS Asia, à Bloomberg.