Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Angola acredita que Macau e China podem ajudar a indústria do jogo e turismo

O director nacional do Ministério do Turismo de Angola disse à Lusa que acredita que Macau e a China podem ser bons parceiros para fomentar a indústria do jogo e do turismo no país angolano.

Angola /
26 Abr 2019 / 14:03 H.

“Acredito que se Angola apostar na lei de jogo, se Angola criar condições com parceiros de Macau e China, nós teremos no PIB um grande número para o sector produtivo, que é o turismo”, afirmou Jorge Manuel Calado, em declarações à Lusa, à margem da sessão de apresentação dos produtos turísticos dos países de língua portuguesa, que decorreu na 7.ª Expo Internacional de Turismo de Macau.

“O turismo é uma área a ser desenvolvida muito em Angola por Macau e China”, afirmou.

“Os jogos, já tinha descoberto antes, não dão azar, dão dinheiro”, disse, em analogia às avultadas receitas que o Governo de Macau recebe através do jogo (11.672 milhões de euros em impostos directos sobre o jogo em 2018) e da boa saúde financeira da direcção dos serviços de turismo de Macau, que é financiada grande parte com esses impostos.

“Macau é um gigante e Angola é um gigante adormecido”, apontou o responsável do turismo angolano antes de explicar que o seu Governo está “a trabalhar para formalizar a lei dos jogos”, acrescentando que já existem no país algumas casas de jogos, mas que “não basta ter casas de jogos, é preciso infra-estruturas”, referindo-se aos grandes complexos de ‘resorts’ integrados que existem em Macau.

“É um investimento muito grande, envolve a banca, envolve a segurança (...) o investimento [no jogo] é bom mas tem de haver condições para que surjam efeitos”, sublinhou Jorge Manuel Calado.