Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

STP Airways reabre loja em Lisboa e iniciou voos de e para Portugal

A companhia aérea são-tomense, STP Airways, anunciou hoje a reabertura da loja em Lisboa e iniciou, a 03 de julho, dois voos semanais em ‘code-share’ com a portuguesa euroAtlantic, sua acionista, de e para Portugal.

Luanda /
22 Jul 2020 / 12:20 H.

A companhia aérea esclarece, porém, que o acesso ao interior da loja está sujeito às regras de prevenção das autoridades de saúde no que respeita ao combate à pandemia de COVID-19, e que por isso também está a laborar em horário reduzido, de segunda a sexta-feira, das 10:00 às 13:00 e das 14:00 às 17:00.

Na mesma nota, a companhia aérea acrescenta que retomou, no dia 03 de Julho, "as ligações regulares directas entre São Tomé e Príncipe e Portugal, em voos operados com aeronaves da euroAtlantic Airways (EAA), em regime de code-share, realizando uma frequência semanal, às sextas-feiras".

"A companhia STP Airways, de São Tomé e Príncipe, informa o mercado e a comunidade são-tomense em Portugal, como os seus clientes e público em geral, já ter reaberto a sua loja de vendas", localizada na Avenida João XXI, em Lisboa, lê-se no comunicado da companhia aérea são-tomense.

A companhia portuguesa EAA é accionista e gestora da companhia são-tomense, conjuntamente com o Estado de São Tomé e Príncipe e um outro investidor privado.

A transportadora aérea são-tomense alerta, porém, os seus clientes que até à descoberta de uma vacina contra o novo coronavírus, "existem novos caminhos para se viajar com segurança, regras que as companhias aéreas, se viram obrigadas a adoptar".

Assim, os passageiros dos voos STP a partir dos 04 anos de idade são obrigados a apresentar um teste à COVID-19, realizado 72 horas antes da partida, e a usarem máscara cirúrgica no aeroporto e durante o voo, devendo ainda ter um 'stock' que lhes permita a mudança da máscara ao fim de quatro horas.

À chegada a São Tomé, os passageiros estão ainda sujeitos a uma triagem térmica.

A pandemia de COVID-19 já provocou mais de 610 mil mortos e infectou mais de 14,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em Fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Em África, há 15.418 mortos confirmados em mais de 736 mil infectados em 54 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

Entre os países africanos que têm o português como língua oficial, a Guiné Equatorial lidera em número de infecções e de mortos (2.350 casos e 51 mortos), apesar de ter revisto em baixa os casos após vários dias sem actualizações, seguida de Cabo Verde (2.107 casos e 21 mortos), Guiné-Bissau (1.949 casos e 26 mortos), Moçambique (1.536 casos e 11 mortos), Angola (749 infectados e 29 mortos) e São Tomé e Príncipe (746 casos e 14 mortos).

O Brasil é o país lusófono mais afectado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infectados e de mortos (mais de 2,1 milhões de casos e 80.120 óbitos), depois dos Estados Unidos.