Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Stoxx 600 a caminho de “bear market”.

O índice de referência está mesmo prestes a registar o pior semestre desde a crise financeira de 2008, segundo as contas da Bloomberg.

Luanda /
23 Jun 2022 / 11:29 H.

As acções europeias arrancaram a sessão pintadas de vermelho, com o “benchmark” a renovar mínimos de Fevereiro de 2021, contagiadas pelo medo em torno de uma possível recessão alimentado pelas declarações do presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell no senado dos EUA.

O Stoxx 600 desvaloriza 1,25% para 400,68 pontos. Dos 20 sectores que compõe o índice, energia e mineradoras comandam as perdas à boleia da queda das cotações do petróleo e outras matérias-primas. Desde o pico atingido em Janeiro, o “benchmark” europeu por excelência já perdeu 19%, estando por isso a um passo do “bear market”.

O índice de referência está mesmo prestes a registar o pior semestre desde a crise financeira de 2008, segundo as contas da Bloomberg, pressionado pela guerra na Ucrânia e o advento das políticas monetárias “falcão” dos bancos centrais para conter a inflação, naquele que é o maior movimento de aperto monetário mundial desde os anos 2000.

Ainda assim, alguns estrategas acreditam que parte das perdas poderão ser recuperadas. Segundo a média mensal da Bloomberg de 15 previsões, o Stoxx 600 deve terminar o ano com 467 pontos, uma valorização de 14% em relação à pontuação de fecho desta terça-feira.

“Agora há oportunidades interessantes a médio prazo. A situação continua a mesma mas parece que o mercado começa a aprender a viver com isso pois procura um fundo”, defendeu Diego Férnandez, director de investimentos da A&G Banca Privada, em Madrid, citado pela Bloomberg.

Nas restantes praças europeias, o destaque vai para Londres que perde 1,02% num dia em que comemora seis anos do referendo sobre o Brexit em 2016. Desde este evento o índice britânico FTSE já tombou 8,7%, mas tudo pode mudar já que o “benchmark” londrino está a registar um melhor desempenho este ano que alguns dos seus pares.

Madrid perde 1,29%, Frankfurt desvaloriza 1,40%, Paris cai 1,29% e Amesterdão derrapa 1,25%. Milão cai 1,43% enquanto Portugal regista a queda mais tímida do bloco (0,76%).