Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Perdas da Galp, Jerónimo Martins e das papeleiras condicionam PSI 20

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.251,38 pontos na sessão desta terça-feira.

16 Jul 2019 / 09:10 H.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,16%, para 5.251,38 pontos, esta terça-feira, 16 de julho, contrariando a tendência optimista das principais praças europeias. Em Lisboa, os títulos da Galp Energia voltam a ser destaque, sobretudo, após a conclusão da aquisição de 58,03% da Tagusgás.

“Nas últimas semanas, a ação [da Galp] tem vindo a refletir mais acentuadamente a valorização do crude, após diversos meses a aparesentar uma correlação bastante modesta com a cotação da matéria-prima”, lê-se no diário da bolsa do BPI. A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva tem beneficiado da subida do petróleo e do facto “de negociar a desconto face aos seus pares europeus”.

Esta segunda-feira, a Galp fez saber ter concluído a aquisição de 58,03% do capital social da Tagusgás por 32 milhões de euros à Gásriba. Com a conclusão da operação, após parecer favorável da Autoridade da Concorrência e da ERSE, a Galp detém 99,36% da Tagusgás. Ainda assim, a empresa cotada perde 0,46%, para 13,98 euros.

Os títulos das papeleiras Altri (-0,75%) e Navigator (-025%), da retalhista Jerónimo Martins (-0,60%), da energética REN (-0,60%) e da Pharol (-0,66%), também condicionam o PSI 20.

Em sentido inverso, mas insuficientes para inverter a tendência na bolsa nacional, destacam-se os ganhos dos títulos da Ibersol, da Sonae e da Semapa.

Entre as principais praças europeias, a tendência é de ganhos, quando “os investidores aguardam pelos resultados da banca norte-americana com a Goldman Sachs, a Wells Fargo e a JP Morgan a apresentarem hoje”, explicou o Mtrader do Millennium BCP, Ramiro Loureiro.

A guerra comercial também é um tema que traz confiança aos investidores, depois de o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, ter confirmado que altos responsáveis dos Estados da China e Estados Unidos têm agendado uma conversa telefónica para esta semana.