Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

OPEP prevê recuo de 19% no consumo estimado de petróleo para 2020 devido ao coronavírus

A epidemia do coronavírus vai provocar um recuo de 19% no consumo estimado de petróleo para 2020, anunciou hoje a OPEP, que adverte que o impacto desta crise adiciona incerteza ao futuro da economia global.

China /
12 Fev 2020 / 15:19 H.

“A principal razão para esta revisão do crescimento da procura e, portanto, da procura de petróleo da OPEP (Organização de Países Exportadores de Petróleo), é o surto do coronavírus e do esperado impacto na procura de petróleo da China, e, por extensão, do mundo”, sublinha o grupo na análise do mercado, hoje divulgada em Viena.

O novo cálculo põe o consumo mundial de petróleo durante este ano em 100,73 milhões de barris por dia, menos 230.000 barris por dia do que a estimativa feita em janeiro, antes do início do surto, que já provocou mais de 1.000 mortos.

“Prevê-se que o crescimento da procura de petróleo na China desacelere em relação ao passado, refletindo uma menor atividade económica”, afirma o relatório, sublinhando que na revisão pesam especialmente as mudanças do consumo de combustível para transporte, especialmente o aéreo.

A OPEP sublinha que o momento do aparecimento do surto, quando milhões de chineses viajam para visitar as suas famílias devido às festividades do Ano Novo lunar “exacerbou o impacto na procura do combustível de transporte”.

A OPEP sublinha que a procura da China, um dos principais consumidores de petróleo do planeta, será na primeira metade do ano inferior em 200.000 barris por dia do que o esperado até agora.

“O impacto do surto do coronavírus na economia da China adicionou incerteza em relação ao crescimento económico mundial em 2020 e por extensão do crescimento da procura de petróleo”, sublinha a OPEP, que defende que será necessário continuar a acompanhar o desenvolvimento da situação para perceber as implicações no mercado petrolífero este ano.

O comité técnico da OPEP e dos seus aliados (OPEP+), presidido pela Arábia Saudita e Rússia, recomendou já na segunda-feira cortes adicionais à produção durante o segundo trimestre do ano para fazer frente à queda da procura de petrolífera devido ao surto do coronavírus.