Nova fábrica de diamantes orçada em mais de 5 milhões USD

‘‘Esta é a primeira de outras unidades que espera sejam inaugurados ao longo de 2019, algumas delas noutras províncias do país’’, adianta o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos.

Luanda /
12 Fev 2019 / 13:41 H.

Uma nova fábrica de lapidação de diamantes, cujo investimento ascende a 5 milhões de dólares, foi inaugurada hoje em Talatona, Luanda, resultado de uma parceria entre investidores privados nacionais e a estatal SODIAM, que tem uma participação de 10% no capital social. A nova fábrica está instalada numa área de 400 m2.

A linha de produção é composta por equipamentos considerados de “alta tecnologia”, de vanguarda tecnológica mundial na actividade de lapidação, capazes de posicionarem a Stone Polished Diamond (SPD) entre os centros de lapidação mais bem equipadas do mundo. Inicialmente irá lapidar diamantes brutos de três a dez quilates e também pedras especiais com peso igual ou superior a 10,8 quilates, com uma capacidade e lapidação de 2000 quilates/mês durante o primeiro ano de funcionamento.

Construída no prazo de 90 dias, por empresas nacionais, quer na fase do projecto quer na construção. A fábrica está também equipada com um dos sistemas de segurança mais avançados do país, composto por controlos automatizados de acesso, scanners faciais, leitores biométricos e câmaras de vídeo monitorização de última geração.

O ministro dos Recursos Minerais e dos Petróleos, Diamantino Pedro de Azevedo, sublinhou, durante o discurso de inauguração, que ‘‘esta é a primeira de outras unidades que espera sejam inaugurados ao longo de 2019, algumas delas noutras províncias do país’’. E enfatiza a importância destes projectos também para o desenvolvimento económico e social de Angola, ‘‘uma vez que para além da dinamização da actividade empresarial, os investidores criam emprego directo para os cidadãos angolanos, contribuindo para a melhoria das condições sociais da população”.

Os responsáveis pela gestão da SPD acreditam que seis meses após o arranque das operações, iniciar-se-á a fase de expansão do projecto, que conduzirá à integração de mais 30 trabalhadores. A política da empresa passa por dar primazia à mão de obra angolana, à qual facilitará formação específica para que a qualidade do trabalho e dos diamantes lapidados ‘‘esteja ao nível do que melhor se faz noas maiores centros de lapidação de diamantes do mundo’’. Posteriormente, é intenção dos promotores do projecto darem continuidade à expansão da SPD, por forma a que possam trabalhar em pleno, diariamente, dois turnos completos.