Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Mercado aéreo da China será o maior do mundo, diz Boeing

O mercado chinês de aviação será o maior do mundo, de acordo com Stan Deal, presidente e director executivo da Boeing Commercial Airplanes.

China /
11 Jun 2020 / 09:25 H.

O mercado chinês de aviação será o maior do mundo, de acordo com Stan Deal, presidente e director executivo da Boeing Commercial Airplanes, dizia em declarações a imprensa chinesa.

“Mesmo que a pandemia da COVID-19 tenha interrompido o dinamismo, acreditamos que o mercado de aviação chinês voltará a crescer acima da tendência a longo prazo e, eventualmente, se tornará o maior do mundo”, disse Deal em entrevista à Xinhua.

“Em perspectiva, a China acrescentou mais capacidade nos últimos 10 anos do que o total dos próximos seis mercados emergentes de mais rápido crescimento, incluindo Índia, Rússia e Brasil”, avaliou Deal, reafirmando o compromisso da Boeing em apoiar e viabilizar esse crescimento como um parceiro decisivo no ecossistema de aviação chinês.

“As companhias aéreas chinesas hoje estão entre as maiores e mais produtivas do mundo. Sob muitos aspectos, a Air China, a China Southern, a China Eastern e a Hainan não são mais companhias aéreas da China, são transportadoras globais que ajudam a definir o padrão do sector para operações internacionais, serviço de bordo e experiência de passageiros. Também lideram uma classe de transportadoras emergentes que, juntas, tornarão a China o maior mercado de aviação comercial do mundo “, acrescentou.

Deal assinalou que a indústria da aviação será fundamental para permitir o crescimento dentro do país e facilitar o comércio e o intercâmbio cultural em todos os cantos do mundo.

Do ponto de vista da Boeing, disse ele, enquanto os voos internacionais mais longos precisarão de mais tempo para regressar aos níveis pré-COVID-19, no geral a indústria de aviação continuará permitindo o comércio global e o intercâmbio cultural, transportando eficazmente pessoas e produtos para todo e qualquer lugar.

Para Deal, é improvável que a pandemia reverta a tendência da globalização, pois tem sido uma força poderosa para o crescimento e desenvolvimento, enquanto o novo desafio é encontrar um modo de equilibrar rapidamente os benefícios da globalização e gerir as possíveis consequências. “Esta é a nova normalidade para a nossa indústria e para o nosso mundo.”

“Acreditamos que a China continuará desempenhando um papel essencial na economia global”, observou.