Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Contribuintes pagaram 5 vezes mais no primeiro trimestre do ano

O valor pago em benefícios pelas entidades gestoras representa 19,1% das contribuições, com uma diferença de 94,8 mil milhões Kz. A Sonangol Vida pagou 13,3 mil milhões Kz, a maior parcela de pensões. As pensões por velhice concentraram nos últimos dois anos a maior porção dos benefícios pagos.

Luanda /
28 Jun 2022 / 08:46 H.

As contribuições pagas no primeiro trimestre deste ano são 5 vezes mais do que as registadas no mesmo período de 2021, revelam os dados do relatório recentemente publicado pela Agência Nacional de Regulação e Supervisão de Seguros (ARSEG).

No período em análise, o nível global de contribuições aos fundos foi de 117,2 mil milhões Kz contra os 21,6 mil milhões Kz do primeiro trimestre do ano passado, o que representa um crescimento de 441,22%, ou seja, a contribuição dos trabalhadores e funcionários foi cinco vezes superior em termos homólogos.

O crescimento foi maioritariamente influenciado pela evolução dos números na Ensa-Seguros Angola (Entidade gestora de Fundos de pensões), que aumentou 1790,2%, e representa 79,25% das contribuições com 92,9 mil milhões Kz.

Em seguida, as gestoras Nossa Seguros e Económico Fundos que verificaram os maiores progressos no valor arrecadado em contribuições com variações de 107,4% e 92% respectivamente, apesar da baixa incidência no global com 0,34% e 1,14% na 5ª e 3ª posição.

Já a gestora Global Seguros, e a Gestão de Fundos apresentaram um comportamento negativo sendo a Global Seguros, a que tem menor participação.

O documento revela ainda que as entidades gestoras pagaram aos beneficiários um montante global de 22,4 mil milhões Kz, um crescimento de 73,6% em relação aos 12,9 mil milhões Kz do mesmo período de 2021.

Entre as 8 entidades gestoras de fundos a Sonangol Vida, pagou a maior parcela de pensões, por volta de 13,3 mil milhões Kz, com um peso de 59,7% do total e uma variação positiva de 38,9% em relação aos primeiros três meses de 2021.

Segue a Ensa – Seguros Angola, com 27,2% que pagou mais de 1,8 mil milhões Kz e cresceu 377,1%, e em terceiro a Gestão de Fundos, que representa 8,27% do global e evoluiu 45,7% com 1,85 mil milhões Kz.

Fortaleza Seguros e Global Seguros são as gestoras de fundos que menos pensões pagaram. Com participações abaixo de 1% do total. Ambas registaram variações negativas na ordem dos 66,7% e 40,03%, respectivamente.

Ainda com base nos dados, segundo os cálculos do mercado, o valor pago em benefícios pelas entidades gestoras no primeiro trimestre do ano representa 19,1% das contribuições, com uma diferença de 94,8 mil milhões Kz, enquanto no mesmo período de 2021 os benefícios pagos representavam 59,6% das contribuições.

Benefício pago por Categoria

Dos benefícios pagos, a categoria de pensão por velhice concentrou o maior volume com 18,8 mil milhões Kz, 84% do global. A categoria progrediu 63,05% face aos 11,5 mil milhões Kz do primeiro trimestre do ano passado.

Com 93% em 2020 e 82% em 2021, calculou o mercado, a categoria de pensões por velhice concentrou nos últimos dois anos a maior porção dos valores pagos aos beneficiários, apesar de ter sofrido uma redução de 11% no último ano.

A seguir temos com 4,46% e 3,75% as categorias de Viuvez e Orfandade, onde a primeira cresceu 18% e a Orfandade, com a segunda maior evolução 2.710%.

Já a categoria de invalidez com uma participação de 0,37%, mesmo tendo registado uma ascensão de 37%, foi a que menos benefícios pagou no trimestre em análise com um montante de 82,5 milhões kz.

Como terminou 2021

Até ao final do ano passado, os fundos registaram em contribuições um total de 91,2 mil milhões Kz, o que representa um crescimento de 17% (mais 15,8 mil milhões Kz) face ao período homólogo, segundo cálculos do Mercado com base nos dados publicados pela ARSEG.

Os benefícios pagos cresceram 18,3% e situam-se nos 69,06 mil milhões Kz. As pensões por velhice evoluíram para 56,4 mil milhões Kz, um aumento de 7,22% em relação ao ano de 2020.

No segundo trimestre do ano as contribuições sofreram uma variação de 3,18% face ao período anterior, tendo evoluído 5,25% no segundo e 0,85% no quarto. Os benefícios pagos evoluíram 40,89% no segundo trimestre, 8,56% no terceiro e sofreram um decréscimo de 7,62% no último trimestre daquele ano.