Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Comissões de Seguro Directo caem 79% no primeiro trimestre

O ramo Não Vida teve uma queda de 78% ao passar de 1,2 mil milhões Kz no primeiro trimestre de 2021 para 286,2 milhões Kz no primeiro trimestre deste ano, valor que representa 99% das comissões de seguro directo.

Luanda /
04 Jul 2022 / 11:57 H.

As Comissões de Seguro Directo caíram 79%, no primeiro trimestre do ano, em relação ao mesmo período de 2021, revela o relatório sobre os ‘Principais Indicadores Trimestrais’, divulgado recentemente pela Agência Nacional de Regulação e Supervisão de Seguros (ARSEG).

Nos três primeiros meses do ano, as comissões de seguro directo fixaram-se em 287,6 milhões Kz contra os 1,3 mil milhões Kz, registado em igual período do ano passado, havendo uma redução de 1,05 mil milhões Kz.

A contracção foi constatada em todas as modalidades de seguro, tanto no ramo Vida, como no Não Vida, dizem os números do relatório da ARSEG.

O ramo Não Vida teve uma queda de 78%, quando comparado com o mesmo período de 2021 ao passar de 1,2 mil milhões Kz para 286,2 milhões Kz, valor que representa 99% das comissões de seguro directo (remuneração paga a pessoa singular ou colectiva que presta assistência, em forma de mediação, à realização e/ou acompanhamento do contrato de seguro).

Segundo o relatório da ARSEG, o seguro de doenças foi o que mais comissões rendeu aos mediadores, com 149,1 milhões Kz (52% do global), registando uma queda de 35% em termos homólogos, senado a menor de todos os ramos.

O ramo Acidentes, com um peso de 30%, foi o segundo que mais comissões providenciou à mediação com o registo de 87 milhões Kz, apesar de ter caído 69% em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

Já as Viagens, lê-se, com menos de 1% (81,5 mil Kz) apresenta o menor valor das comissões e uma redução estimada em 70%.

Ainda segundo o documento, o ramo Vida com 1% do global de comissões cedidas no período em análise (1,4 milhões Kz face os 46,9 milhões Kz do primeiro trimestre do ano passado), teve uma variação negativa de 97%.

Prémios de Seguro directo

Por outro lado, conforme os Indicadores Trimestrais, as operações de seguro directo, no sector da mediação, conferiram prémios avaliados em 3,3 mil milhões kz no primeiro trimestre do ano em curso, havendo uma quebra de 76,57% nas receitas em relação aos primeiros três meses de 2021.

O ramo Não Vida foi responsável por 99,79% dos prémios (3,2 mil milhões Kz), ao passo que o ramo Vida representou apenas 0,21% (6,8 milhões Kz). Os dois ramos apresentaram quebra de 75,7% e 98,6% respectivamente nas receitas do primeiro trimestre do ano transacto.

O relatório do regulador apresenta ainda que houve uma redução de 75,4% das apólices de seguro directo emitidas no primeiro trimestre com base no sector da mediação, uma vez que foram contabilizadas apenas 1 177 apólices contra 4 784 registadas no período homólogo.

De forma geral, de acordo com os dados da ARSEG, 99% das apólices emitidas pertencem ao ramo Não Vida e 0,76% ao ramo Vida, com variações negativas de 75% e 70% respectivamente.

Por fim, o ramo Automóvel foi a modalidade que emitiu o maior número de apólices no trimestre em análise (483) ao passo que a Petroquímica teve apenas uma única apólice emitida no período.