Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

BCI aposta na transparência para atrair investidores bolsistas

Privatizações em bolsa e lançamento do mercado accionista para que sejam uma realidade de sucesso, é importante a continuidade do programa de preparação das empresas.

15 Mar 2021 / 10:05 H.

O Banco de Comercio e Indústria (BCI) aposta na gestão transparente para atrair investidores no mercado bolsista, a garantia foi dada pela PCA daquela instituição, Zenaida Zumbi.

A responsável que falava à margem do fórum BODIVA, referiu que o mercado bolsista em crescimento no País, é mais transparente,por isso diz ter noção de que ainda há muito a fazer, sobretudo no aspecto da literacia financeira dai a transparência, justiça e maior abertura na fixação do preço em bolsa, podendo esta alcançar outros investidores que por si só em outros meios não o fariam.

A nível das instituições financeiras, Zenaida Zumbi, promete usar uma abordagem necessária,que chama de comunicação assertivapara que todos consigam perceber,acrecentando mesmo que a privatização, sobretudo o leilão em bolsa é um elemento novo.

“Levar para eles a comunicação dos produtos e serviços diferenciadores, não querendo com isto dizer que sejam os melhores, mas mostrar a diferença do BCI em relação aos outros bancos e acima de tudo demonstrar que aspectos foram melhorados e desenvolvidos, que oportunidades temos para poder fazer, porque estamos em 2021 e teremos a privatização, temos noção e continuamos focados para tudo aquilo que podemos fazer até a privatização seja executado”, sublinha.

A PCA do BCI, explica que a estratégia foi feita a pensar nos investidores e à população em geral, para que se compreenda o caminho a percorrer e o que é necessário para trilhá-lo, bem como o trabalho que foi feito para que o banco esteja em condições de ser privatizado.Para a mulher forte do BCI, os desafios passam pela identificação das próprias necessidades do banco, fazer um diagnóstico e ter o ponto de partida, para a criação de um plano estratégico e focar-se nos seus eixos para o alcance dos objectivos preconizados.

Neste, ocupam os lugares cimeiros a melhoria dos balanços e dos resultados do banco, por esta razão as acções têm de ser precisas, concisas, objectivas e focadas, Zenaida Zumbi é de opinião que se façam acções que permitam levantar inclusive imparidades, para fazer com que reservas do período homologo também sejam levantadas, bem como a melhoria de todos os aspectos identificados como necessário,“para que o banco esteja em condições de ir para o leilão em bolsa e o balanço é importantíssimo”, ressalta.

Sobre o assunto não é tudo, Zenaida Zumbi, revela que em 2020 todas as acções que foram desenvolvidas tiveram como objectivo a aprovação das contas a 31 apesar de ainda não terem sido aprovadas, e para que o banco tenha condições claras de ir para um leilão em bolsa.A PCA do BCI defende a existência de equilíbrio no processo de privatizações, independemente da dimensão dos investidores, o que interessa ao BCI é mostrar os produtos e serviços, o que melhorou, o que o investidor ou o cliente ganhou com a implementação destas acções, como os canais digitais, bem como na satisfação dos interesses dos seus clientes e stakeholders.

O secretario de Estado do Tesouro e Finanças, Ottoniel dos Santos, acredita que para que as privatizações via bolsa de valores e o lançamento do mercado accionista sejam uma realidade de sucesso, é importante a continuidade do programa de preparação das empresas.

“Este programa o “Investor Readiness Program”, conta com o apoio e a experiência da London Stock Exchange e deverá contribuir para que as nossas empresas estejam em condições de cumprir os requisitos de investimento exigidos pelos investidores das praças internacionais “assegurou.

Zenaida Zumbi,aponta o novo reforço financeiro da empresa como vantagem, pois ao emitir obrigações automaticamente os investidores adquirem-nas e ela capitalizava- se, estes investidores serão credores da empresa, mas isso permitirá com que desenvolva a empresa, que faça a geração de lucros e depois pague as referidas dividas.

Quanto a capitalização em bolsa das Micro, Pequenas e Medias Empresas (MPME´s) Zenaida Zumbi, diz que depende do preenchimento dos requisitos exigidos pelo mercado dos valores mobiliários.

“Como é evidente a bolsa de valores exige requisitos, as empresas têm de preencher, uma vez preenchidos entram para o mercado e podem fazer a emissão das obrigações uma forma de capitalizar, trazer liquidez para o seu negócio”, sublinha.

Zenaida Zumbi considera que desde que seja permitido poderá ser uma empresa media ou grande, uma vez que estamos em crescimento não só ao nível das grandes empresas, mas também ao nível das médias e pequenas, para vir à bolsa.

Assim para quem deseja investir no sector , a responsável, deixa um conselho “ter um bom governo, uma prestação de contas e demais requisitos que temos de ter preenchidos como a transparência, porque dela vem a confiança, entretanto é necessário que os investidores tenham confiança para poder investir”.