Tempo - Tutiempo.net

Angola participa na Conferência Japão-África

Uma delegação angolana participa, de 28 a 30 deste mês, em Yokohama, Japão, na sétima edição da Conferência Internacional de Tóquio Sobre Desenvolvimento de África (TICAD7).

Angola /
23 Ago 2019 / 12:04 H.

Trata-se de um fórum multilateral, inclusivo e aberto, lançado pelo Governo Japonês, em 1993, do qual participam países e instituições africanas, bem como organizações internacionais de desenvolvimento, do sector privado e da sociedade civil.

A TICAD está a ser organizada e presidida pelo Governo do Japão, pela Organização das Nações Unidas, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Banco Mundial e pelos próprios países africanos.

Tem por objectivo promover um diálogo político de alto nível entre os líderes africanos e parceiros internacionais, com vista a mobilizar apoios para as iniciativas de desenvolvimento económico, da paz e segurança, com maior apropriação africana.

A propósito deste evento, o embaixador de Angola acreditado em Tóquio, Rui Orlando Xavier, realçou, quinta-feira, a importância do evento para os Estados africanos, sublinhando que o país asiático foi escolhido como um parceiro estratégico de cooperação internacional.

Em entrevista exclusiva à ANGOP, o diplomata destacou o facto de o Japão ser a 3ª maior economia do mundo e membro do G7, detentor de uma economia forte e de um sistema financeiro robusto.

Tratando-se de um país “disposto a apoiar o crescimento económico de África”, o embaixador disse haver grande expectativas à volta da TICAD7, que vai juntar, à mesma mesa, líderes africanos, japoneses e das agências internacionais de desenvolvimento.

Espera que, com esse instrumento de cooperação e diálogo, os africanos tirem bastante proveito das iniciativas aliciantes que o “gigante asiático” põe à disposição dos africanos.

No caso de Angola, o embaixador enfatizou que já tem tido benefícios, mas, no futuro, os resultados da cooperação poderão ser muito mais abrangentes.

Dizer que em solo angolano, o Japão está a financiar a reabilitação do Porto do Namibe e foi responsável pela recuperação das três principais indústrias têxteis do país, nomeadamente Satec (Cuanza Norte), Alassola (Benguela) e Textang II (Luanda), estas últimas já devolvidas ao Estado angolano.