Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

África: ONU estima que investimento sobe 3% em 2019 para 47 mil milhões USD

O Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para África subiu 3% no ano passado, aumentando de 47 mil milhões de dólares para 49 mil milhões de dólares, anunciou a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

China /
22 Jan 2020 / 09:48 H.

“O fluxo de IDE para África aumentou para uns estimados 49 mil milhões de dólares , um aumento de 3%”, lê-se no relatório sobre os fluxos de investimentos a nível mundial, no qual se explica que “a incerteza global económica persistente e o baixo ritmo das reformas sobre a produtividade estrutural e os gargalos institucionais em muitas economias continuam a dificultar o investimento no continente”.

Neste continente, o Egipto continuou a ser o maior receptor de investimentos, com um aumento de 5%, para 8,5 mil milhões de dólares, principalmente no petróleo e gás, mas também nas telecomunicações, imobiliário e turismo, dos quais 60% vieram da China, segundo a ONU, que explica também que na África Austral, o aumento de 37%, para 5,5 mil milhões de dólares é justificado com o “abrandamento do desinvestimento líquido em Angola”.

A nível global, o IDE manteve-se praticamente inalterado, em 1,39 biliões de dólares, o que representa um declínio de 1% face aos 1,41 biliões de 2018, “num contexto de desempenho mais baixo da economia e incerteza política para os investidores, nomeadamente decorrente das tensões comerciais”.

No relatório, a UNCTAD diz que a tendência subjacente de IDE, retirada a volatilidade causada por transacções únicas e fluxos financeiros, aumentou 5%, em linha com as projecções no relatório do ano passado, mas alerta que “esta mudança marginal representa uma continuação da estagnação observada durante a década”.

O IDE para os países desenvolvidos continuam em níveis historicamente baixos, diminuindo mais 6% para 643 mil milhões de dólares, e para a União Europeia, a queda no investimento foi de 15%, para 305 mil milhões de dólares, enquanto para os Estados Unidos os investidores canalizaram 251 mil milhões de dólares.