Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Futuros da Europa abrem no vermelho

Entre os principais movimentos do mercado são de destacar as acções da Siemens, que cairam 4,54%, depois de a tecnológica ter reportado uma queda do lucro até março devido ao prejuízo de 600 milhões de euros provocado pelas sanções impostas pelo Ocidente à Rússia.

Luanda /
12 Mai 2022 / 12:28 H.

Os futuros da Europa começou o dia pintada de vermelho, à medida que o apetência pelo risco diminui perante o medo do advento do abrandamento económico, motivado pela inflação e a subida das taxas de juro.

O Stoxx 600 segue a desvalorizar 1,73%, depois de ter arrancado a sessão a cair mais de 2%. Dos 20 sectores que compõe o “benchmark” europeu, mineração e produtos de consumo comandam as perdas, enquanto as telecomunicações lidera os ganhos.

O “benchmark” europeu caminha assim para a quinta semana de perdas, a mais longa sequência em território negativo desde o início de Fevereiro.

Nas restantes praças europeias, o espanhol IBEX desce 0,75%, o alemão DAX perde 1,48% e o francês CAC 40 cai 1,83%. Londres regista uma queda de 1,79% e Milão derrapa 1,05%. Amesterdão lidera as perdas, ao cair 2,29%, enquanto por cá Lisboa acompanha a tendência desvalorizando 1,29%.

Entre os principais movimentos do mercado são de destacar as acções da Siemens, que cairam 4,54%, depois de a tecnológica ter reportado uma queda do lucro até Março devido ao prejuízo de 600 milhões de euros provocado pelas sanções impostas pelo Ocidente à Rússia.

Já a Telefónica sobe 1,70% depois de ter superado as estimativas dos analistas relativamente aos resultados do primeiro trimestre, enquanto o BT Group soma 2,89% depois de anunciar a assinatura de um acordo de venda da unidade de TV para a produtora Warner Bros.

As principais praças do bloco acompanharam assim a tendência de fecho de sessão na Ásia e em Wall Street, que reagiram em baixo à divulgação dos dados da inflação nos EUA que deram conta de um abrandamento de 8,5% em março para 8,3% em Abril, uma descida pouco expressiva, face ao esperado pelos economistas.