Angonap de Fortaleza: um projecto de “sonhadores e resilientes”

Angola Cables inaugura novo data center na capital do Ceará, Brasil. CEO garante que projecto vai trazer mais negócio para todos, ministro pede melhores serviços e preços mais baixos no sector.

17 Abr 2019 / 00:40 H.

Ricardo David Lopes (em Fortaleza)*

O arranque da operação do novo data center da Angola Cables em Fortaleza vai trazer novas oportunidades de negócios digitais ao Brasil, mas também a Angola e a África, garantiu nesta semana o CEO da operadora multinacional de origem angolana.

Segundo António Nunes, que falava, nesta terça-feira, na inauguração do Angonap Fortaleza Tier III, junto ˆ Praia do Futuro, na capital do Estado brasileiro do Ceara, o novo projecto, associado aos cabos submarinos da empresa que ficam interligados no data center, faz de Angola e Brasil “pioneiros da integração digital do Atlântico Sul” e “catalisadores de novos negócios na quarta revolução industrial”.

O novo data center, acrescentou [ver entrevista na página ao lado], vem responder “à crescente demanda na transmissão de dados de conteúdos no hemisfério sul” sem necesssidade de passagem pela Europa, e reflecte o ‘espírito’ da Angola Cables. “Somos sonhadores, empreendedores e resilientes”, garantiu António Nunes.

O Angonap Fortaleza Tier III passa a ser o principal ponto de interconexão da região, um ponto directamente ligado a dois novos cabos submarinos intercontinentais, o SACS (Sistema de Cabos do Sul do Atlântico, detido pela Angola Cables, entre Sangano e Fortaleza) e o Monet (igualmente participado pela operadora, entre São Paulo e Miami).

O data center pode suportar outros sistemas de cabos submarinos de vários tipos, incluindo provedores de conteúdo e pontos de troca de pesquisa e académicos na América Latina. Segundo a empresa, este ponto de ponto de interconexão “também permitirá que entidades africanas desenvolvam negócios em diferentes regiões do Brasil, América Latina e EUA”.

A Angola Cable participa igualmente no cabo WACS (entre a Cidade do Cabo, na África do Sul, e Londres, com passagem por vários pontos da costa africana, incluindo Sangano).

ÒEste investimento em Fortaleza Ž importante para avanar e expandir os nossos horizontes de neg—cio”, revelou o gestor, acrescentando que “este Ž o primeiro ponto de conectividade neutra no Parque Tecnol—gico da Praia do FuturoÓ. Na pr‡tica, “outros sistemas de cabos e clientes ter‹o a op‹o de hospedar os seus dados ou conteœdo via servios de Cloud, ou directamente no data center, com a oportunidade de promover os seus neg—cios nos mercados mundiais por meio da nossa conex‹o atravŽs do SACSÓ, acrescentou.

(Ver mais na edição em papel, nas bancas na próxima quinta feira)

* o jornalista viajou a Fortaleza a convite da Angola Cables