Tempo - Tutiempo.net

Saham Seguros arrecada 21,6 mil milhões Kz em prémio

Os ramos que mais cresceram foram o seguro de saúde, vida, incêndio, responsabilidade civil e acidentes de trabalho.

Luanda /
16 Mar 2019 / 09:51 H.

A Saham Angola Seguros atingiu um volume de negócios de 21,6 mil milhões kz, no exercício económico 2018, tendo crescido 20% em relação ao período homólogo, revelou ao Mercado o CEO da companhia.

O ramo Acidentes, Doenças e Viagens, com 32%, foi o que mais prémios brutos emitiu, num total de 6,9 mil milhões Kz, contra os 4,8 mil milhões do período anterior, numa variação de 45%. Seguem-se os ramos Incêndios (22%), com 4,8 mil milhões Kz e automóvel, que obteve 4,7 mil milhões Kz e uma variação de 42 e 3% respectivamente.

Imediatamente seguem os ramos Diversos, que emitiu 6% dos prémios, equivalente a 1,3 mil milhões Kz e uma variação de 35%, face ao ano homólogo, Outros Danos em Coisas e Responsabilidade Civil Geral, com 5% do total de prémios brutos, nomeadamente 1,1 e mil milhões Kz..

Considerando um ano bastante desafiante, Paulo Bracons ressaltou, contudo, que os custos foram demasiado alto, por força da desvalorização da moeda nacional e a inflação vigente no mercado, o que resultou em significativas perdas.

Segundo o responsável, este facto impactou bastante no desempenho da Saham, em 2018, pelo facto de a companhia estar exposta ao mercado cambial por força dos mecanismos de resseguro internacional.

Em relação aos resultados líquidos do exercício, Paulo Bracons sublinhou que a seguradora se encontra todavia num processo de aprovação de contas, mas considera ter sido um ano bastante penalizado pelas vicissitudes actuais do mercado.

Os ramos que mais cresceram foram o seguro de saúde, vida, incêndio, responsabilidade civil e acidentes de trabalho. A grande surpresa, pontualiza Paulo Bracons, tem que ver com o produto automóvel, que voltou a crescer, embora registando ainda níveis baixos, depois de um período em baixa em 2017.

Destaca igualmente que o seguro automóvel, apesar de ter crescido pouco, manteve um razoável desempenho ao nível da sinistralidade. Já o ramo saúde cresceu acima de 50%, mas deixa algumas preocupações ao nível da sinistralidade que, como diz, são extensivas ao mercado, como um todo.

Saiba mais na edição nº197 do Jornal Mercado, já nas bancas.