Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

“Processos judiciais impugnações e processos junto da Comissão Europeia continuam”

“Os processos em tribunal administrativo irão continuar, acredito que as providências cautelares, pelos motivos que são mais ou menos evidentes agora tenham de facto pouca aplicabilidade”

Luanda /
29 Out 2021 / 20:30 H.

O presidente executivo da Altice Portugal afirmou esta sexta-feira que, apesar do leilão 5G ter terminado, os processos judiciais, as impugnações e os processos junto da Comissão Europeia continuam, porque a operadora tem a “convicção plena” que tem razão.

Questionado sobre os processos que a dona da Meo colocou no âmbito do processo do leilão 5G, Alexandre Fonseca disse que são para continuar.

“Todos os processos judiciais, as impugnações e os processos junto da Comissão Europeia continuam e continuarão com certeza até ao fim, porque não vamos desistir deles porque temos a convicção plena de que temos razão”, garantiu o gestor, que falava num encontro com jornalistas na Altice, em Lisboa.

“As impugnações que foram aplicadas continuam, continuo a dizê-lo: o nosso entendimento é que este é um leilão ilegal que tem um conjunto de situações, incluindo a configuração de ajudas de Estado, foi por isso que também apresentámos o caso às autoridades da União Europeia, porque entendemos que aquilo que foi feito exactamente com os novos entrantes é ilegal”, sustentou Alexandre Fonseca.

“Os processos em tribunal administrativo irão continuar, acredito que as providências cautelares, pelos motivos que são mais ou menos evidentes agora tenham de facto pouca aplicabilidade”, acrescentou.

Questionado se perante as críticas do primeiro-ministro, António Costa, ao processo do leilão o presidente da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) deveria apresentar demissão, Alexandre Fonseca recordou que já tinha defendido em Outubro do ano passado que João Cadete de Matos “não tinha condições para continuar no cargo”.

Portanto, “fico muito feliz que algumas pessoas e entidades, não falo só do senhor primeiro -ministro, houve muitas outras entidades que na sequência das declarações do senhor primeiro-ministro vieram a público dizer que não havia condições para este regulador continuar em funções, limito-me apenas a constatar que agora há publicamente muito mais opiniões sobre aquilo” que já tinha dito há um ano e que “aliás juntam-se a opiniões de bancos de investimento, consultoras, fabricantes de tecnologia, que todos, em coro, sempre criticaram este processo e o seu líder, o presidente da Anacom”, prosseguiu.