Moodys atribui nota B3 ao BFA

O Banco BFA recebeu recentemente da Moody's a nota B3 em moeda nacional, tornando-se na terceira instituição financeira, depois do Banco BAI e do Banco Económico a receber a mesma classificação da agência internacional de notação financeira.

Angola /
06 Dez 2018 / 17:33 H.

A agência atribuiu igualmente uma notação de Caa1 aos depósitos em moeda estrangeira. Ambas as notas são idênticas ao “tecto” da notação de Angola nessas componentes, igualmente B3 e Caa1.

Em nota, refere como pontos fortes do balanço do BFA, a capacidade resiliente de gerar rendimentos acima da média, com o rácio entre os resultados e os activos tangíveis bastante acima dos pares (4,8% em 2017, comparado com a média de 1,8% da banca angolana, e com a mediana de 1,1% dos restantes bancos com notação B3).

“Buffers” de capital robustos, o que, em conjunto com o ponto anterior providencia uma almofada significativa para suportar potenciais perdas em empréstimos.

Segundo a avaliação da Moody’s, o banco também contribuiu o rácio de TCE (tangible common equity) sobre os RWA (risk-weighted assets) – um rácio de solvabilidade1 – é de 18,8%, bastante acima da mediana dos outros bancos que é de 11,2%.

A agência internacional de notação financeira enfatiza a resiliente almofada de liquidez em moeda estrangeira do BFA, com os activos líquidos em moeda estrangeira a representar 62% de todos os activos tangíveis em moeda estrangeira.

Uma postura segura na estratégia de crescimentos dos activos, que resultou numa qualidade dos activos saudáveis, o que permite um rácio de crédito malparado bastante abaixo da média da banca angolana.

Actualmente o Banco BFA conta com uma rede de balcões de mais de 190 agências em todo o país.