Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

FMI defende apoio aos vulneráveis e mais reformas contra a crise

Considerando a inflação como um “imposto sobre os pobres”, Antoinette M. Sayeh disse que a subida dos preços a nível mundial resulta de factores externos, como os elevados preços dos alimentos e da energia, e de algumas perturbações do lado da oferta que já existiam antes da crise.

Luanda /
21 Set 2022 / 09:45 H.

A subdirectora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) defendeu ontem que os decisores políticos devem garantir o apoio aos mais vulneráveis, implementar políticas que reduzam a inflação, que é “um imposto sobre os pobres”, e manter a agenda reformista.

“Há três princípios genéricos que vos peço para considerarem quando estão a desenhar as políticas contra a desigualdade”, elencou Antoinette M. Sayeh, durante um ‘webinar’ do FMI sobre a desigualdade, em particular na África subsaariana.

“Primeiro, neste ambiente difícil, temos de garantir um apoio contínuo aos mais vulneráveis”, disse a responsável, salientando a importância de fortalecer os sistemas de protecção social e vincando que “qualquer estratégia para fomentar o crescimento sustentável a longo prazo tem de dar prioridade às necessidades imediatas dos mais vulneráveis”.

Considerando a inflação como um “imposto sobre os pobres”, Antoinette M. Sayeh disse que a subida dos preços a nível mundial resulta de factores externos, como os elevados preços dos alimentos e da energia, e de algumas perturbações do lado da oferta que já existiam antes da crise.

Por último, defendeu a continuação das reformas para “aumentar a resiliência aos choques e lidar com as verdadeiras causas da desigualdade”, que variam de país para país e podem incluir aspectos diferentes, como a saúde, o género ou as oportunidades económicas.

“Reconheço, claro, que neste ambiente difícil, muitos países não vão conseguir resolver as suas necessidades sozinhos”, e é por isso que a comunidade internacional e o FMI têm um “importante papel” a desempenhar na redução das desigualdades, disse Sayeh.