Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”

28 Mar 2020 / 14:35 H.

O governador do Banco de Portugal (BdP) afirma que a crise sanitária que se vive globalmente, causada pela pandemia de Covid-19, “terá consequências económicas duradouras e porá em causa a coesão social e o ânimo colectivo para enfrentar o futuro”.

Em entrevista ao “Expresso”, Carlos Costa diz que existe uma “incerteza total”, pede aos países da União Europeia, independentemente do seu nível de endividamento, que se mantenham solidários e volta a apoiar a emissão dos designados ‘coronabonds’.

“Caso contrário, corremos o risco de a zona euro quebrar pelo elo mais fraco, devido aos custos muito significativos que a resposta a esta crise vai comportar ou à incapacidade de mobilização de recursos”, explicou o governador do BdP, em declarações ao semanário do grupo Impresa.

O dirigente do banco central português defende soluções inovadoras, como a hipótese de o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) emitir ‘coronabonds’ de maturidade “muito longa”, “com os recursos a serem canalizados para os Estados-membros e reembolsáveis a longo prazo através do orçamento comunitário e, para o efeito, contempladas no quadro financeiro plurianual”.

E dá um exemplo ao mesmo jornal: “Se fosse feito esforço conjunto de 10% do PIB, semelhante ao dos Estados Unidos, reembolsado a 50 anos, as transferências anuais para o orçamento comunitário seriam de 0,2%). Esta abordagem não teria impacto imediato nas posições orçamentais individuais”.