Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Clima negativo mantem-se no sector da construção

O inquérito aponta que a confiança das empresas construtoras tem apresentado um comportamento negativo desde o primeiro trimestre de 2010.

Angola /
14 Set 2020 / 10:42 H.

O sector da construção civil manteve a tendência negativa no segundo semestre de 2020, revela o indicador de confiança no âmbito do inquérito sobre Conjuntura Económica de Angola, realizado pelo Instituto Nacional de Estatística, divulgado recentemente.

O Indicador de Confiança (IC) que mede a percepção dos empresários sobre o desempenho tendencial no sector da construção no curto prazo, evoluiu negativamente em relação ao período homólogo e permaneceu abaixo da média da série. Situou-se nos 48 pontos, uma redução de 18 pontos percentuais em relação ao período homólogo de 2019.

O inquérito aponta que a confiança das empresas construtoras tem apresentado um comportamento negativo desde o primeiro trimestre de 2010, tendo registado no quarto trimestre de 2015 a maior redução de 74 pontos e um máximo de 59 pontos no primeiro trimestre de 2009.

A evolução negativa em relação ao período homólogo, deveu-se ao comportamento desfavorável de todas as variáveis que compõem o Indicador, a carteira de encomenda actual, perspectiva de actividade e perspectiva de emprego.

Os principais constrangimentos apresentados pelo sector são o nível elevado da taxa de juro, a insuficiência da procura e a falta de materiais, igualmente foram apresentadas as dificuldades na obtenção de créditos bancário e a deterioração das perspectivas de vendas.

Do ponto de vista do Indicador de Clima Económico (ICE) que avalia as expectativas dos empresários sobre a evolução da economia no curto prazo, continua a apresentar comportamento negativo, tendência que vigora desde o terceiro trimestre de 2015, tendo no segundo trimestre de 2016 registado um mínimo de 34 pontos.

O ICE no segundo trimestre de 2020 situou-se nos 21 pontos negativos, uma redução de 5 pontos percentuais se comparado com o período de Janeiro a Março do mesmo ano.

Participaram do inquérito 1638 empresas distribuídas nas 18 províncias, foram no total sete nos sectores da Indústria Extractiva, Indústria Transformadora, Construção, Comércio, Comunicação, Turismo e Transportes, todos apresentaram tendência negativa e Conjuntura Económica desfavorável.

Optimismo no sector da comunicação

Apesar de apresentar uma tendência decrescente, o sector da comunicação é o único que tem mantido uma tendência positiva, situou-se em 20 pontos no segundo trimestre de 2020 em comparação com o primeiro trimestre, registou uma redução de 8 pontos percentuais.

No parecer dos empresários, a pouca procura dos serviços, a concorrência e as dificuldades financeiras, foram as principais limitações no sector. O excesso de burocracia e regulamentações estatais, também limitaram as actividades das empresas.

O sector do comercio

O documento aponta que o Indicador de confiança do sector do Comércio evoluiu negativamente em relação ao período homólogo e permaneceu abaixo da média da série, esta evolução negativa do Indicador em relação ao período homólogo deveu-se a redução das variáveis actividade actual e perspectiva de actividade.

A confiança no sector do comércio situou-se em 31 pontos negativos uma redução de 12 pontos percentuais em comparação com o primeiro trimestre de 2020.

Mais empresas sentiram dificuldades ao desenvolverem as suas actividades em comparação ao 2º trimestre de 2019. Destacam-se dificuldades como a insuficiência da procura, as dificuldades financeiras e o excesso de burocracia. A ruptura de stocks e os preços de vendas demasiado elevados também influenciaram negativamente nas actividades das empresas do sector.