Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

CEDEAO abre oportunidades para os produtos “made in Angola”

O secretário de Estado para a Indústria considera ser importante que se criem contextos unificadores para abrir caminho para a efectiva internacionalização das empresas africanas, realçando, os esforços políticos para a implementação e operacionalização de um mercado comum africano, como é o caso da Zona de Comércio Livre Continental Africana.

Luanda /
14 Out 2021 / 09:12 H.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CDEAO) afigura-se como uma oportunidade para a expansão das exportações dos produtos “made in Angola” tendo em conta a dimensão territorial e proximidade entre os países.

Citado pelo Jornal de Angola o secretário de Estado, Ivan do Prado, que falava no acto de abertura do webinar sobre “a internacionalização das empresas angolanas na CEDEAO, que serviu de ante câmara de lançamento da 1° edição da Feira Internacional de Negócios Angola-CEDEAO (FINAC), que se realiza no primeiro trimestre de 2022 na capital do País

O responsável considera ser importante que se criem contextos unificadores para abrir caminho para a efectiva internacionalização das empresas africanas, realçando, os esforços políticos para a implementação e operacionalização de um mercado comum africano, como é o caso da Zona de Comércio Livre Continental Africana.

Ivan do Prado espera que a FINAC seja um espaço para a criação de visões comuns que permitam o alavancar das trocas comerciais para o fortalecimento das economias dos países e consequente a melhoria da qualidade de vida dos seus cidadãos.

Por seu turno, o secretário de Estado para a Cooperação Internacional e Comunidades angolanas, Domingos Lopes, afirmou que a CEDEAO representa um grande mercado consumidor ávido de produtos oriundos de Angola e de fazer negócios com o mercado angolano, sendo, por isso, importante o constante reforço das relações.

A FINAC espera congregar mais de 300 expositores, entre nacionais e estrangeiros, com investimentos nos sectores do agro-negócios, indústria, comércio, desporto, turismo entre outros segmentos.