Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Zetho Cunha Gonçalves vence I.ª edição do Prémio de Literatura dstangola/Camões

O Prémio de Literatura foi lançado no início do ano pelo dstgroup e pelo Instituto Camões, pretende distinguir, anualmente e de forma alternada, títulos em poesia e em prosa de autores nascidos em Angola e publicados em língua portuguesa.

Angola /
10 Jun 2019 / 15:56 H.

O poeta angolano Zetho Cunha Gonçalves é o vencedor da primeira edição do Prémio de Literatura dstangola/Camões, com a obra “Noite Vertical”. O galardão, no valor de 15 mil euros, será entregue a 10 de junho, no âmbito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, pelas 16h30, na União dos Escritores Angolanos, em Luanda, numa cerimónia que conta com a declamação de poemas do livro vencedor.

A primeira edição da iniciativa registou cerca de duas dezenas de candidaturas e consagrou a obra poética “Noite Vertical”, de Zetho Cunha Gonçalves que, de acordo com o júri, presidido por Irene Guerra Marques, linguista e docente na Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto, e constituído pelo escritor José Eduardo Agualusa e pelo jornalista e escritor, Carlos Ferreira, “confirma todas as qualidades de um poeta, na esteira (assumida) de Ruy Duarte de Carvalho, e também com marcas de David Mestre”.

O júri fundamenta ainda a escolha pela “experiência vivencial resulta conseguida na recuperação de uma infância e juventude míticas, na ligação ao Huambo e Kuando-Kubango que marcaram profundamente o autor e que o conduziram à utilização de uma linguagem rica, expressiva, com recorrências interessantes à oratura”. Zetho Cunha Gonçalves, concluem, “recupera a lembrança da Terra lançando mão de figuras de estilo que condensam e valorizam a sua angolanidade”.

O Prémio de Literatura dstangola/Camões, lançado no início do ano pelo dstgroup e pelo Instituto Camões, pretende distinguir, anualmente e de forma alternada, títulos em poesia e em prosa, de autores nascidos em Angola e publicados em língua portuguesa. Recorde-se que no âmbito do protocolo “Empresa Promotora da Língua Portuguesa” firmado recentemente entre o dstgroup e o Camões, I.P., o grupo comprometeu-se a apoiar o Centro Cultural Português em Luanda, onde já foi criada a sala de leitura dstangola e inaugurada pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa.

No âmbito deste protocolo, o dstgroup entregará àquele equipamento milhares de livros, no valor de mais de 12500 euros, estando previsto um reforço de seis mil euros, em cada um dos três anos subsequentes. De entre os milhares de livros encontram-se títulos de autores portugueses, autores lusófonos, livros técnicos e literatura, entre muitos outros géneros.

A Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, em Portugal, dirigiu o ano passado, uma carta à Real Academia Sueca na qual propõe a atribuição do Nobel da Literatura 2018 ao autor angolano Zetho Gonçalves. Na mensagem, o Prof. Dr. José Carlos Pereira argumenta que, “sendo o mais importante poeta angolano vivo, e um dos maiores poetas da língua portuguesa contemporâneos.

Zetho Cunha Gonçalves

Zetho Cunha Gonçalves nasceu em Huambo, a 1 de julho de 1960. Actualmente vive em Lisboa e é poeta, ensaísta, tradutor e autor de literatura infantil e juvenil. Em 2018 viu o seu nome ser proposto para o Prémio Nobel de Literatura. Antes de se dedicar por completo à literatura, estudou agronomia. Está representado em várias antologias, quer de poesia quer de ficção.

Foi o responsável pela página cultural «Casa-Poema da Língua Portuguesa», no jornal Plataforma de Macau, e coordenou a secção cultural da revista África 21. Publicou 14 livros de poesia, traduziu poemas de António Carvajal, Vicente Huidobro, William Carlos Williams, Joan Brossa e Djalal Ud Din Rumi, e editou obras de ilustres autores portugueses tais como Natália Correia, Mário Cesariny, Eça de Queiroz e Fernando Pessoa.

Tem traduções da sua obra para alemão, chinês, espanhol, hebraico e italiano, e conta com colaborações dispersas em jornais e revistas de Angola, Brasil, Moçambique, Itália, Macau, Espanha e Portugal.