“Into the Okavango” apresentado às entidades governamentais

Filmado durante 142 dias de levantamentos científicos, o documentário revela as vulnerabilidades e as potencialidades da maior bacia hidrográfica do rio Okavango

Angola /
06 Dez 2018 / 16:42 H.

O resultante da expedição feita numa das maiores bacias naturais do mundo – o Delta do Okavango -, é um projecto idealizado em 2015 pelo Dr. Steve Boyes, explorador da National Geographic. Daí, o local tem sido objecto de jornadas de pesquisa e colheitas de dados. Sob direcção de Neil Gelinas, o documentário abarca a rica biodiversidade do local, assim como os riscos a que está exposto.

A iniciativa também constitui um repto tácito para a urgente conservação e o fomento do ecoturismo na região. Noventa e quatro minutos de fotografias aéreas, vídeos e gráficos de mapeamentos testemunham a intensa jornada de quatro meses ininterruptos do team que desbravou esta “riqueza de vida” cuja superfície é de 323 192 km2, compartilhada por Angola, Namíbia e Botswana. Constituído por quinze profissionais divididos em quatro grupos: logística, guias fluviais, fotógrafos, film makers e os cientistas liderados por Adjany Costa, -Directora do projecto da National Geographic da Vida Selvagem do Okavango para Angola que em exclusivo, para o Mais Mercado, falou sobre os “trunfos” do projecto.

Nesta jornada “crucial” pelo delta do Okavango, os investigadores constataram logo as ameaçadas de extinção, conheceram de perto comunidades locais e o impacto devastador de malfeitores nesta parte “preciosa” de África, chegou-se à conclusão de que se “começássemos a pesquisar apenas daqui a três anos, não existiria mais nada para salvar”, lamentou Steve Boyes.

A cinematografia mostra ainda um dos maiores fenómenos naturais da terra que ocorre no deserto Kalahari, onde o rio deságua nas areias e forma o maior delta interior do mundo, que está já incluído na lista de património mundial da Unesco. Apesar de todos os contratempos e desafios experimentados pela expedição, esta “inesquecível” odísseia representa uma “celebração do triunfo humano sobre as adversidades”.

A cerimónia decorreu numa sala de cinema de Luanda, repartida entre sessões técnicas e de apresentação às identidades, culminou com a assinatura de um protocolo de cooperação entre o Ministério do Ambiente e o Ministério do Turismo com a National Geographic, visando o desenvolvimento sustentável e a implantação da indústria do turismo na região das nascentes do Moxico.