Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

“Crónicas da nossa terra” e “Conversas interpelantes na Mulemba” de Fernando Pacheco

O escritor e agrónomo Fernando Pacheco lançou a 30 de Junho do ano em curso, dois livros “Crónicas da nossa terra” e “Conversas interpelantes na Mulemba”, no Centro Cultural Brasil-Angola em Luanda.

Luanda /
05 Jul 2022 / 09:34 H.

Numa entrevista exclusiva ao Mercado, Fernando Pacheco, diz que a inspiração para escrever os livros foi o desejo de contribuir para a memória colectiva referente a um período da história e também para enriquecer o pensamento crítico e o debate de ideias.

Fernando Pacheco explicou que os livros compõem um apanhado seleccionado das crónicas escritas na Revista África 21 e num dos jornais imprenso do País de 2007 a 2019 e de 2008 a 2021.

Na narrativa tal como aflorou, tentou passar um retracto da apreciação do que foi fazendo regularmente na vida política, económica e social do País.

Os leitores, como se pode depreender do entrevistado, encontrarão nos livros diversos temas ligados ao que considerou serem “as suas lutas para uma Angola melhor”.

Fernando Pacheco assegurou ainda que, nem todos os temas terão a mesma importância para os diferentes leitores uma vez que os livros contêm temas como democracia, direitos humanos, desenvolvimento, descentralização, pobreza e o ambiente, sem esquecer a agricultura que está ligada à sua área de formação.

Os livros, diz, dirigem-se a um público heterogéneo, mas foi pensado para as pessoas que estudam os fenómenos políticos e sociais de Angola e têm dificuldades em encontrar informação organizada e articulada.

“E penso também nos jovens sedentos de conhecimento de Angola”, aludiu.

Quanto à feitura dos livros, Fernando Pacheco diz ter começado em 2019, altura que chegou a pensar ser fácil escolher e organizar as crónicas, mas posteriormente apercebeu-se que não era bem assim.

Contou que em 2020 enfrentou um problema pessoal grave e como se não bastasse surge também a pandemia.

“Em Dezembro de 2021 tinha a minha parte concluída, mas faltavam os imponderáveis com as gráficas. Já sabia, mas fiquei a saber mais sobre as dificuldades da produção de livros no nosso País”, sentenciou.

Sobre Fernando Pacheco

Fernando Pacheco, nasceu em Calulo-Libolo, na província do Cuanza-Sul, em 1949. Licenciou-se em agronomia em 1974, no Huambo, onde foi docente de sociologia e desenvolvimento rural.

Depois foi sucessivamente director nacional no Ministério da Agricultura, Delegado do mesmo Ministério na província de Malanje e director do departamento de política agrária do MPLA.

Em 1990 foi um dos fundadores da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), de que foi director-geral e presidente do conselho directivo.

Desde 2003 é consultor independente e desde 2006 que é colaborador do centro de estudos e investigação científica da Universidade Católica de Angola (UCAN).

Escreve com regularidade artigos de opinião para jornais e revistas e é autor de vários artigos de carácter académico e cívico publicados em livros e revistas. É membro do Conselho da República, órgão consultivo do Chefe de Estado desde Fevereiro de 2018.