Kizua kia Dipanda

Artista plástico Adão Mussungo desafia colegas a demonstrarem “mais patriotismo nas suas obras”

Angola /
06 Dez 2018 / 16:52 H.

Considerando um substrato cultural comum, a arte enquanto componente da cultura nas sociedades tradicionais e como herança do passado, a segunda exposição individual do artista vem saudar os 43 anos da Dipanda nacional.

Mas também desafiar os colegas da classe a demostrar “mais patriotismo em homenagem aos bravos heróis que deram o seu contributo de corpo e alma para que a independência se concretizasse. Porque na música e teatro já se faz, mas nas artes plásticas ainda não é notável o simbolismo vermelho e preto em tributo aos heróis nacionais”,esclareceu o artista Adão Mussungo.

Numa reflexão pictórica por meio de pinceladas soltas em 22 obras mescladas entre óleo sobre tela, acrílico e veludo sobre tela, representam a visão patriótica do artista baseando-se em referências como os “Movimentos de Libertação das décadas de 50 e 60, Acordo de Alvor e a proclamação da Independência de Angola” que depois de estar restrita a um público mais distinto, a exposição que tem a organização da Fundação Sagrada Esperança, reabriu dia 5 para o público em geral podendo ser visitada até 15 de Dezembro no edifício Kilamba na Marginal de Luanda.

“Sem dúvidas representar artisticamente o “kizua kia Dipanda” e seus momentos tristes e alegres é motivo de honra e orgulho, ngasakidila” regojizou o artista e acrescentou o valor de uma das peças avaliada em trezentos mil Kwanzas será doada ao Beiral, lar de acolhimento de terceira idade.