Mercado de valores
Tempo - Tutiempo.net

Brunch With...Rita Oliveira

Por ser uma mulher curiosa e gostar de desafios, adquiriu desde muito cedo experiência profissional no ramo petrolífero e trabalhou durante 17 anos em Telecomunicações.

Luanda /
16 Set 2019 / 09:40 H.

A convidada para o brunch desta edição é a gestora Sénior de Suporte Transversal da Direcção de Sistemas de Informação da Unitel, Rita Oliveira, que é fascinada por aprender e conhecer coisas novas. Engenheira Informática de formação, considera-se uma pessoa bastante sociável, pois teve sempre muitos amigos, quer na escola, quer no bairro e até mesmo no Brasil onde residiu por seis anos.

Nasceu em Luanda, lugar em que viveu feliz toda a sua infância e adolescência. Nesta altura, sonhava em ser escritora, queria escrever contos infantis, sonho este que durou até o dia em que viajou pela primeira vez para o exterior do país com a sua mãe e irmãos. “Tenho lembranças das viagens para Calulo (terra da minha mãe), na província do Kwanza Sul. Lembro-me que adorava ver a minha avó voltar da lavra e iniciar o processo de

transformação da mandioca em fuba e farinha. Tenho ainda na minha memória o cheiro da terra molhada e do matabicho habitual, naquela altura “chafé” com batata doce cozida ou assada”, lembrou sorridente.

O seu trajecto académico começou desde a escola primária nº 189 até ao segundo ciclo entre as escolas, Alda Lara e Mutu Ya Kevela, e o médio no Puniv, curso de Ciências Exactas.

Durante as férias de escola, Rita participou várias vezes do programa de estágio da empresa petrolífera francesa, ELF Aquitaine, denominado “Trabalhos de Verão”. “Sempre estagiei na área de contabilidade, lá comecei a ter os primeiros contactos com computadores e assim nasceu em mim a vontade de ser engenheira”, refere. Assim, por intermédio de uma bolsa de estudos, fez a licenciatura no Brasil, no curso de Sistemas de Informação na Universidade Estadual Paulista – UNESP na cidade de São Paulo.

Quando regressou à Angola em 2001, ficou apavorada devido as informações sobre o mercado de trabalho como “não há empregos, é muito difícil conseguir, só se consegue com cunha”.

“Foi durante as minhas caminhadas que ouvi falar da UNITEL através de uma amiga que, na altura, trabalhava no Departamento de Finanças. Era uma empresa nova que precisava de pessoas para todas as áreas. Não pensei duas vezes, submeti o meu CV e pouco tempo depois fui chamada para a entrevista, fiz os testes psicotécnicos e passei por todo o processo de recrutamento sem sobressaltos. Assim começou a minha história na UNITEL”, lembra com euforia.

Começou em 2001 como Técnica de Sistemas no pelouro técnico. Na altura, assim diz, tinham apenas os pelouros técnico, comercial e financeiro, e apenas dois anos mais tarde foram surgindo novas Direcções. Depois foi alocada à Direcção de Operações de Manutenção-DOM, hoje Direcção de Operações e Supervisão-DOS. Após três anos, foi promovida à Coordenadora de Equipa e em 2009, nomeada Gestora Sénior de Operação de Serviços. “Trabalhei durante 17 anos na DOS, tendo sido fundamental para o meu processo de crescimento profissional e pessoal nos últimos anos. Tenho referido imensas vezes que a DOS é uma escola onde somos preparados para a vida”, explica.

Novos desafios

Conta que há um ano assumiu um novo desafio na Direcção de Sistemas de Informação, tendo sido uma experiência fantástica, pois mais uma vez teve a oportunidade de se reinventar, aprendendo sempre coisas novas no mundo do IT. “Lido com pessoas diferentes em termos comportamentais, com diferentes situações, histórias de vida e isso faz com que sejamos obrigados a ser criativos na maneira de lidar com determinadas situações”, refere.

Lidera actualmente uma equipa de 44 pessoas que tema responsabilidade de fazer a manutenção dos sistemas que garantem a qualidade da informação para apoio à tomada de decisão das equipas técnicas e comerciais.

O seu maior desafio é efectivamente desenvolver pessoas, não apenas as que lidera, mas todas aquelas que puder influenciar positivamente. Este é o repto a que Rita se propõe enfrentar, pois acredita ser o caminho para o nosso país se desenvolver. “Sinto-me muito orgulhosa quando vejo pessoas que recrutei serem reconhecidas pela excelência e consideradas referências na empresa”, informa a responsável reflectindo no que faz e entende que ser mãe é outro desafio que encara com bastante seriedade.

Olha para o seu percurso profissional e reflecte 18 anos de UNITEL plenamente vividos, assim como guarda memórias do lançamento comercial em 2001. “Lembro-me que não vendíamos apenas telemóveis, ensinávamos também às pessoas a utilizar os aparelhos e a se familiarizarem com a nova realidade. Cada lançamento de uma nova tecnologia 3G, 4G, foi considerado uma vitória e comemorado como tal”. Outro momento também marcante para a engenheira foi o facto de coordenar o projecto de renovação do sistema de tarifação 2008-2009. Para ela foram dois anos de profundo aprendizado para todos envolvidos no que concerne a gestão de projectos, trabalho em equipa e colaboração.

“Trabalhar na UNITEL significa ter a oportunidade de crescer pessoal e profissionalmente. Aqui o Capital Humano é valorizado e desafiado a progredir. Aqui fiz amigos para a vida toda e cuidamos uns dos outros”, afirma.

É defensora de que as pessoas devem ser curiosas, ter vontade de aprender e partilhar o conhecimento com os outros. E neste processo, finaliza aconselhando, é fundamental despirmo-nos dos egos e que tenhamos sonhos para realizar, completando-os com trabalho e de forma responsável.