O uso da tecnologia blockchain no sistema financeiro

Por: Estêvão Arsénio dos Santos 

Ar evolução da mudança centralizada para descentralização por funções específicas ou semelhantes está a mudar o paradigma das instituições financeiras, graças a uma nova ferramenta tecnológica conhecida como blockchain. A ferramenta blockchain, também conhecida como o protocolo da confiança, é uma tecnologia que permite, através de técnicas criptográficas, a agilização de transacções complexas financeiras.

O que a torna uma das tecnologias mais excitantes é a sua capacidade de reduzir a possibilidade de violações de segurança, mesmo pelos seus próprios operadores. Pode-se dizer, de maneira simplificada, que blockchain significa “cadeia de blocos”, e que é ela que sustenta o Bitcoin e outras moedas digitais. Além de transacções financeiras com maior segurança e eficiência para uma série de actividades nas instituições financeiras e empresas em geral, tais como aplicações que exigem transparência e confiabilidade.

O blockchain não é a solução para tudo, pelo contrário, é normalmente parte de uma solução para uma situação que já enfrentamos e estamos usando múltiplos processos, os quais desejamos simplificar. Tornara-se fundamental para todas as instituições financeiras entenderem o poder de disrupção dessa ferramenta tecnológica, compreender como é enquadrada.

Com o uso do blockchain, excluímos o intermediário e não teremos necessidade de confiar em um terceiro, e confiamos apenas no sistema. O blockchain está a ser consolidado no sector financeiro, vem sendo observado de perto por outras indústrias, que procuram analisar e compreender o seu funcionamento, aplicabilidade e vantagens.

É um sistema de registos que garante a segurança e integridade das operações realizadas, sem a necessidade de uma autoridade central no que tange a confidencialidade, integridade e disponibilidade de dados em qualquer sistema na sua utilização para as instituições financeiras.

Diante do ritmo de vida acelerado da necessidade de optimizar tarefas, da busca por segurança, mobilidade e conveniência, os clientes que fazem uso do sistema bancário mostram-se mais confiantes nos canais digitais, e a ferramenta blockchain passa a ser a opção preferida para transacções e outros serviços. Em contrapartida, os bancos têm investido cada vez mais em tecnologia e buscam oferecer soluções e diferenciais que os coloquem na vanguarda.

É fundamental que as instituições financeiras entendam a evolução das tecnologias disruptivas e seus impactos na indústria de serviços financeiros, para estarmos aliados ao desenvolvimento global. Para além de dar credibilidade e rapidez aos serviços, o blockchain, ao criar uma infra-estrutura distribuída que garante a imutabilidade das transacções, dá transparência aos processos, elimina assimetrias de informação e garante autonomia na execução de acordos previamente negociados, com parâmetros claramente estabelecidos. Ainda que suas funções adquiram contornos distintos em cada uma delas, as características do blockchain são aplicáveis em quase todas as instituições financeiras. Seria apenas mais uma vantagem se nos enquadrarmos com a sua aplicabilidade.

Na prática, a ferramenta tecnológica oferece uma arquitectura de forma criptografada, verificável e compartilhada, eliminando intermediários e tornando as operações mais ágeis. Que permite a transferência de activos entre as partes de maneira confiável, por meio de uma rede de computadores e sem depender de terceiros que actuem apenas como elementos confiáveis de facilitação.

No sector bancário, isso pode trazer ao quotidiano ou clientes inovações como transferências bancárias a qualquer momento e hora ao custo de uma fracção do actualmente pago nas transferências electrónicas disponíveis (TED) e documentos (DOC), ou ainda a digitalização do real, tudo dentro de um período de implementação relativamente curto. As transacções são gravadas num repositório público à prova de fraudes, organizado em blocos cronológicos.

Todas as partes de uma transacção podem aceder a esse repositório, e ele permite transparência, registos imutáveis e execução autónoma das regras de negócio, com possibilidades superiores de automação. Bancos e outras instituições financeiras serão capazes de aumentar a velocidade com que as transacções são feitas, diminuindo os custos e oferecendo serviços eficientes para todos. Por exemplo, enviar uma quantia para qualquer lugar do mundo será quase instantâneo.

O blockchain é uma das muitas tecnologias que, juntamente com robótica, computação cognitiva, big data/analytics, IoT e cloud, serão propulsoras das grandes transformações que já estão acontecendo e em velocidades maiores do que já tivemos até hoje.

O uso da tecnologia aliado à experiência pode ser traduzido como um conjunto de soluções tecnológicas e da aplicação de metodologia específica para apuração, análise e diagnóstico, com o objectivo de auxiliar empresas na protecção de seus activos e de sua reputação. Daqui a alguns anos, qualquer troca ou liquidação financeira será feita por meio da ferramenta.

As coisas precisam de se desenvolver do ponto de vista regulatório antes que possamos usar todos os recursos da tecnologia blockchain.

Comentários