O Aviso amigo de todos

12 Abr 2019 / 10:33 H.
Ricardo David Lopes

O Banco Nacional de Angola (BNA) tornou público o Aviso que dá conta da obrigatoriedade de os bancos comerciais reservarem o equivalente a 2% dos seus activos para cederem crédito, a uma taxa máxima de 7,5% anual, para projectos de sectores onde haja carência de produção nacional. É meritória, ainda que faça lembrar os tempos da economia planificada, a iniciativa do banco central.

Provavelmente, a banca comercial, ‘viciada’ que está nos apetitosos juros dos títulos de dívida pública, onde não corre riscos e ganha bom dinheiro, a bem, não iria lá, ou seja, não aumentaria exponencialmente, como é necessário e urgente, o crédito ao sector produtivo.

Os argumentos da banca são conhecidos: muitos dos projectos apresentados não são credíveis, a experiência ensina que, muitas vezes, o dinheiro acaba por não financiar o que estava previsto, e frequentemente o banco não volta a ver a cor do dinheiro.

Mas este é apenas um dos lados da moeda. No outro lado, o que vemos (para além do apetite por dívida pública) é que os próprios bancos, ou a maioria, não têm pessoal especializado na análise a projectos em sectores produtivos, em especial a agricultura. Por isso, acontece com frequência que um empresário vá ao banco falar de alhos, e este lhe responda com bugalhos.

O Aviso é ‘amigo’ da agricultura, é importante e todos desejamos que seja levado a sério. Angola precisa de se livrar de tanta importação. Mas os empresários do sector agrícola, mais do que juros baixos, querem ver nos bancos parceiros de longo prazo. Mais do que dinheiro barato, querem que a banca entenda que estes projectos não rendem no mês seguinte à cedência do crédito: querem períodos de carência alargados.

E isso faz sentido - para empresários sérios, com ‘folha limpa’ e bons projectos.

O BNA está a forçar os bancos a mudarem, mas também é ‘amigo’ deles: permite que deduzam estes créditos nas reservas obrigatórias.

Vamos, por isso, acompanhar com interesse, nos próximos meses, as estatísticas de crédito e ver o que acontece... se nada acontecer. Nem sempre as boas ideias dão frutos. Era importante que esta desse.