Taxa de ocupação hoteleira pode chegar a 45%

A baixa taxa de ocupação de hotéis, fixada em 25 por cento em 2018, está a criar dificuldades aos operadores da indústria hoteleira, mas as previsões mais optimistas do mercado apontam para uma relativa melhoria da taxa para 45% até final do ano.

Angola /
13 Ago 2019 / 09:44 H.

Gestores de unidades hoteleira de cinco, quatro e três estrelas ouvidos pela Angop, em Luanda, apontaram como principal razão para a queda da taxa de ocupação nos hotéis a crise económica e financeira, que se agudizou significativamente nos últimos quatro anos.

Em termos de distribuição geográfica, a rede hoteleira nacional é liderada por Luanda, com uma quota de 60 por cento dos alojamentos, ficando os 40% para as restantes 17 províncias do país.

O secretário da Associação dos Hotéis e Resorts de Angola “AHRA”, Ramiro Barreira, sublinhou que vai junto dos associados buscar pontos de equilíbrio, para encontrar preços que se ajustam ao mercado angolano, com vista a redução dos actuais preços das unidades hoteleiras.

“Temos de estabelecer preços que estejam de acordo com a capacidade de compra das pessoas, para podermos elevar as taxas de ocupação dos hotéis em Angola, que em algumas províncias estão, actualmente, na ordem dos 5 a 15 porcento”, referiu.

Caso a taxa de ocupação dos hotéis atinja os 50 por cento, a AHRA, com 400 membros nas 18 províncias, contribuiria mais para o aumento da actividade turística em Angola, elevando assim o peso do sector na composição do Produto Interno Bruto (PIB).

Defende igualmente a necessidade da redução dos preços de energia e água, impostos e do aumento do ambiente de negócios para influência também na baixa dos preços estabelecidos nas unidades hoteleiras.

Dizer que os preços das diárias nessas unidades hoteleiras variam de AKz 24 mil a 135 mil.