Cafeicultores contam já com projecto de internacionalização

De acordo com o documento que o Mercado teve acesso, o projecto é composto por um conjunto de quatro grandes objectivos estratégicos à alcançar

13 Abr 2019 / 14:07 H.

A AIPEX está a desenvolver um projecto de promoção e internacionalização de empresas do sector do café tendo como base a promoção do aumento sustentável das exportações de café, através do reforço da sua qualidade, do desenvolvimento da base produtiva e da profissionalização do sector, contribuindo para o aumento da entrada e diversificação das fontes cambiais.

De acordo com o documento que o Mercado teve acesso, o projecto é composto por um conjunto de quatro grandes objectivos estratégicos à alcançar, sendo o primeiro o de promover a reorganização do sector do café, que assegure um processo de comercialização sustentável e com valor agregado para todos os agentes da cadeia (com destaque para os pequenos agricultores), fomentando assim a integração da população jovem nos diferentes momentos do sector.

Outro objectivo do projecto passa por garantir novos investimentos no sector para colmatar as necessidades existentes ao longo da cadeia de valor, através da atracção e captação de investimento privado nacional e internacional, assim como pela promoção de opções de financiamento para os diferentes agentes.

Aumentar o valor e volume das exportações do café nacional é o terceiro objectivo do projecto, o tencionam alcançar através da sua certificação e reforço da competitividade da produção nacional, via inovação, reforço da regulação e incentivo à produção para exportação. Por último, objetivam aumentar a atractividade do café nacional e respectivo posicionamento, através de acções de promoção junto dos principais mercados consumidores, assegurando assim uma maior penetração e reconhecimento no contexto internacional.

O estado do sector a nível nacional Actualmente o sector do café tem uma estrutura produtiva que se encontra focalizada nas zonas centro e norte do país, destacando-se ainda as regiões históricas do Cuanza Sul e Uíge. Em conformidade com os dados proporcionados pelo Instituto Nacional de Café (INCA), a produção do café está assente em nove províncias e 25 municípios. Diferente do cenário anterior, que se apresentava como um dos principais produtores e exportadores de café a nível mundial, alcançando a 3ª posição como principal exportador.

A província do Cuanza Sul se apresenta como a principal produtora de café com mais de 50% da produção nacional, destacando-se igualmente na área plantada e no universo de cafeicultores. Seguem-se as províncias do Uíge e do Cuanza Norte. Angola apresenta uma forte vantagem no sector a nível mundial, devido à sua potencialidade para a produção de café robusta e arábica, podendo ajustar o seu mix de produção de acordo com a estratégia estabelecida para o sector.

Assim, o café robusta é característico das províncias do Bengo, Cabinda, Cuanza Sul, Cuanza Norte, Malange e Uíge, e o café arábica das províncias de Benguela, Bié, Huambo e Huíla. De acordo com as Nações Unidas, África representa actualmente cerca de 12% da quota de produção mundial de café, destacando-se a Etiópia e o Uganda com a produção de café arábica e robusta, respectivamente.

Angola ocupa a 12º posição no Continente Africano, isto é, cerca de 14 mil toneladas em 2016 de acordo com a FAO. Alguns aspectos são de factor preponderante para o desenvolvimento da produção do café, dos quais destacamos as seguintes oportunidades: Reformulação do papel das cooperativas no que respeita ao suporte à actividade produtiva. Criação de mecanismos de incentivo ao investimento privado, para formação técnica dos produtores e financiamento da base produtiva. Potenciação da qualidade do café nacional (certificação do café) em detrimento do volume (no curtoprazo).