Estado travou entrada da TAP na bolsa

O consórcio Atlantic Gateway, cuja participação na companhia aérea é de 45%, considerava que a dispersão do capital em bolsa era justificável tendo em conta a situação económico-financeira da empresa.

06 Fev 2019 / 15:46 H.

Os accionistas privados da TAP Air Portugal sugeriram antecipar a Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla inglesa) da transportadora aérea nacional, mas o Estado, que detém 50% do capital da empresa, impediu.

A notícia é avançada pela edição desta quarta-feira do “Jornal de Negócios”, que refere que o consórcio Atlantic Gateway, cuja participação na companhia aérea é de 45%, considerava que a dispersão do capital em bolsa era justificável tendo em conta a situação económico-financeira da empresa.

Nos últimos meses, os accionistas terão estado divididos, de acordo com o que apurou o matutino. O Estado acredita que a conjuntura é ultrapassável, que ainda não é o momento de avançar para um IPO mas admite a hipótese de se concretizar em 2021 ou 2022.

O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, disse ao jornal que a reconfiguração da estrutura accionista da TAP “possibilitou a criação de condições para uma melhor viabilização da companhia, assegurada através de capitalização realizada quase inteiramente pelos accionistas privados”.