Empresas têxteis portuguesas recrutam trabalhadores na Ásia

Várias indústrias têxteis de média e grande dimensão estão a recrutar trabalhadores vindos de países asiáticos como Nepal, Índia, Paquistão e Bangladesh para atenuar a falta de mão de obra nesse sector, que conta com cerca de seis mil empresas activas e com 138 mil trabalhadores directos, noticia o “Jornal de Negócios”

12 Ago 2019 / 11:56 H.

“A solução ideal era haver mais portugueses que quisessem trabalhar. Não havendo, é trazermos pessoas do estrangeiro”, afirmou o presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP).

Sem divulgar que empresas recrutam estes trabalhadores asiáticos, o dirigente disse que se trata de um “movimento recente” e não organizado. O principal problema identificado por Mário Jorge Machado é “o demorado e difícil processo de legalização” desses trabalhadores em Portugal.

Esta mão de obra recrutada nos países asiáticos são costureiros, operadores de máquinas e outras funções na tinturaria e acabamentos.

Ainda assim, o presidente ATP acredita que 2019 pode ser o 11º ano de crescimento das exportações do sector que representa.