“Efeito” Ronaldo beneficiou acções da Juventus em 140%

Os títulos do clube italiano dispararam desde o final de junho passado, quando os rumores da contratação do português se tornaram mais fortes.

14 Mar 2019 / 10:41 H.

As acções da Juventus beneficiaram de forma acentuada com a contratação de Cristiano Ronaldo. As notícias sobre a ida do internacional português para Itália intensificaram-se no final de Junho de 2018. E desde a última sessão de Junho (0,661 euros no dia 29), as acções da Juventus já valorizaram 140%. Este desempenho representa actualmente 1,2 mil milhões de euros em capitalização bolsista.

Depois da vitória sobre o Atlético de Madrid na Liga dos Campeões, na terça-feira, os títulos subiram um máximo de 30,01% para os 1,502 euros. A sessão ficou também marcada pela transacção de 17 milhões de papéis. A passagem aos quartos-de-final da Liga dos Campeões representa uma receita extra de 10,5 milhões de euros para a equipa. Quem continuar na competição poderá conseguir mais 31 milhões de euros.

De acordo com a Banca IMI, uma subsidiária do Intesa Sanpaolo, a venda de camisolas do clube pode triplicar até 2022, enquanto a receita anual de patrocínios deverá aumentar 60%.

Em setembro do ano passado, o vice-presidente da Juventus, Pavel Nedved, contou que a ideia de contratar Ronaldo foi do director desportivo, Fabio Paraticci. “Tudo começou na cabeça do nosso director desportivo. Estávamos em casa quando Paratici nos propôs, a mim e ao presidente Andrea Agnelli, contratarmos o Cristiano. Gostámos muito da ideia, ficámos entusiasmados e sabíamos que era o melhor para nós. Quando ouvimos o valor da cláusula de rescisão [100 milhões de euros] decidimos avançar. Não era nenhuma loucura”, revelou Nedved à estação televisiva checa IdnesTV.