Faz compras “online”? Tenha atenção à segurança…

Um estudo da Queixa, a maior rede social de consumidores de Portugal, sobre práticas de e-commerce mostra que mais de 90% dos consumidores portugueses já comprou online.

Com esta prática a crescer, o número de reclamações associadas ao comércio electrónico também registou um aumento significativo: ao Portal da Queixa chegam mais de 20 reclamações por dia e em seis meses, chegaram 3.900 queixas, revelam os responsáveis desta rede social.

Os responsáveis por aquela rede social deixam algumas dicas de como comprar online de forma segura.

Antes de comprar qualquer produto ou serviço em lojas online, informe-se sobre a empresa que o está a vender. Se o site não tiver uma morada ou um contacto para o qual possa ligar, bem como informações sobre a política de privacidade e segurança, “é uma razão para desconfiar da sua veracidade”. “Informe-se correctamente para não ser alvo de uma fraude”, alerta.

O consumidor pode e deve utilizar plataformas como o Portal da Queixa para pesquisar sobre determinada marca ou empresa, uma vez que, neste tipo de sites consegue encontrar experiências de outros consumidores com esse mesmo produto ou serviço. “Os depoimentos de alguns consumidores podem fazê-lo perceber se está ou não a fazer uma boa compra online”.

Os preços de um determinado produto ou serviço pode variar de plataforma para plataforma. Os sites comparadores de preços são a ferramenta ideal, e que deve utilizar, para estes casos. Também os motores de pesquisa podem fornecer informações de preços noutras plataformas online.

Atenção aos encargos adicionais

Deve ainda verifique sempre se, associado à compra de um bem online, não estão associadas taxas ou custos de envios adicionais. Verifique, também, prazos de entregas ou de execução dos serviços adquiridos, uma vez que ao adicionar estas opções à sua compra poderá ter surpresas desagradáveis na hora do pagamento final.

“Se comprar algo proveniente da União Europeia, não necessita de pagar direitos alfandegários, algo que não acontece caso o seu produto venha de outros países como os EUA ou da China”, recorda o Portal da Queixa.

Antes de fazer o pagamento final da encomenda, certifique-se de que o site lhe pede apenas as informações necessárias para concluir a compra.

Os pagamentos mais habituais são a transferência bancária e o cartão de crédito, mas se puder evite-os, uma vez que são menos seguros.

Pode seleccionar métodos mais seguros, como por exemplo o envio à cobrança – só paga depois de receber a encomenda. Normalmente tem custos adicionais acrescidos e por isso nem todas as empresas o disponibilizam.

Outros métodos mais seguros de pagamento são o MB Way – uma alternativa ao uso do cartão de crédito, sendo ainda mais seguro; o Paypal – um sistema de pagamento electrónico bastante seguro; o Paysafecard – sistema dirigido aos mais novos que funciona como o Paypal e o MB Way, mas com um limite de saldo de 100 euros.

Comentários