Abertura dos mercados: Powell continua a impulsionar bolsas e petróleo

As bolsas europeias sobem pela primeira vez em cinco sessões, estando esta quinta-feira a beneficiar com as palavras de presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, que já ontem tinham levado Wall Street para recordes.

Lisboa /
11 Jul 2019 / 10:09 H.

A abertura da sessão nas bolsas europeias é quase uma réplica do fecho da de ontem, uma vez que as declarações de Jerome Powell continuam a impulsionar as bolsas e a penalizar o dólar. Já o petróleo e o ouro mantém a tendência de alta.

Efeito Powell chega às bolsas europeias ...

As bolsas europeias sobem pela primeira vez em cinco sessões, estando esta quinta-feira a beneficiar com as palavras de Jerome Powell, que já ontem tinham levado Wall Street para recordes. O presidente da Reserva Federal norte-americana, que discursou quarta-feira perante o Congresso dos Estados Unidos, sinalizou um corte de juros no final deste mês, no sentido de apoiar o crescimento da economia norte-americana.

Depois de descer 1,4% nas últimas quatro sessões, o Stoxx600 segue a valorizar 0,23% para 388,03 pontos, numa altura em que os investidores esperam agora pelas atas do Banco Central Europeu (BCE), que também podem dar mais pistas sobre a possibilidade da autoridade monetária descer juros em breve.

A britânica Reckitt Benckiser destaca-se do lado dos ganhos (+2,57%), depois de ter chegado a acordo com as autoridades norte-americanas sobre a venda de um medicamento.

Em Lisboa o PSI-20 segue o desempenho e também recupera de quatro sessões em queda. O índice soma 0,69% para 5.188,43 pontos e está a ser impulsionado sobretudo pela Galp Energia, que aproveita a forte subida das cotações do petróleo para valorizar 1,22% para 13,66 euros.

... e continua a penalizar o dólar

A divisa norte-americana continua a ser castigada pelas declarações de Powell, que de acordo com vários analistas abre a porta a um corte de 50 pontos base na reunião de política monetária que vai acontecer a 30 e 31 de julho. O índice do dólar cede 0,2% e o euro está a valorizar 0,18% para 1,1271 USD.

Na perspectiva da Fed, as preocupações em torno da política comercial e a fraca evolução da economia global "continuam a pesar nas perspectivas para a economia dos Estados Unidos", pelo que o banco central se mantém "preparado para agir de forma apropriada".