“Os fundos de pensões podem dar maior contributo à economia”

Director Técnico e de Resseguro da companhia STA Seguros defende que é preciso maior consciencialização dos gestores, públicos e privados, no sentido da criação ou adesão aos fundos de pensões para o seu fomento. Contudo, Pascola Diogo, especialista reafirma a importância de haver solidez económica e financeira no País para a materialização dos programas.

Angola /
29 Abr 2019 / 16:44 H.

Como vê os Fundos de Pensões em Angola?

Na minha opinião, muito ainda precisa de ser feito para atingirmos patamares elevados como nutras sociedades em vias de desenvolvimento e desenvolvidas. Precisamos de consciencializar mais os gestores, públicos e privados, a criarem ou aderirem aos Fundos de Pensões, e que a nível de legislação sejam criadas formas de incentivo e mecanismos de implementação eficazes, face ao rumo que Angola está a tomar como País solido e cada vez mais atractivo em termos de investimento. Devemos olhar o futuro e salvaguardar os pensionistas de amanhã, que somos nós, como trabalhadores no activo.

Que passos que devem ser implementados para o seu desenvolvimento?

Em Angola, já possuímos legislação sobre esta matéria, mas não adianta tê-las e não dermos os seguintes passos, nomeadamente, formação de mais especialistas, criação de incentivos para atracção de investidores e de mecanismos de contribuição para o aumento da educação, a par da cultura sobre os fundos de pensões. É também necessário a revisão e melhoramento permanente da legislação sobre o sector, o aumento do comprometimento do Estado com esta causa, além da responsabilização das empresas.

Qual a causa da fraca aposta das seguradoras e gestoras nos fundos de pensões?

Tudo acaba no mesmo ‘túnel’ de saída. Ou seja, tem de haver solidez económica e financeira em Angola: estamos a falar de inflação controlada e equilibrada, bom ambiente de negócios, maior produção interna, aumento da cultura de produção de outras commodities, designadamente, ouro, ferro, agricultura, estabilização de preços, aumento da cultura de compliance, entre outros. Deve haver mais exportação de produtos locais com qualidade internacionalmente aceite, aposta na formação com qualidade e criação de incentivos ao investimento local e estrangeiro, aumento do poder de compra dos angolanos. Estes e outros factores poderão contribuir positivamente para maior aderência e criação de fundos de pensões.

Fala-se muito dos incentivos fiscais para o seu crescimento. Que tipo de instrumentos devem ser adoptados?

Existem vários incentivos poderão estar em torno da criação de legislação eficaz e eficiente, conforme referi acima, tributação atractiva, taxas amigáveis, empréstimos com juros baixos (caso seja aplicável), incentivo à disciplina, bons rendimentos, maior diversificação de activos, maiores alternativas de investimento...

Em que áreas devem ser investidos estes fundos para a sua rentabilidade?

Existem áreas diversificadas para investimento, mas, para a nossa realidade, devemos principalmente apostar na bolsa de acções, títulos do Tesouro e fundos de investimento. Assim, os fundos de pensões poderão dar um maior contributo ao desenvolvimento do País.

Leia mais na Edição 203 do Jornal Mercado, já nas banca!