Moçambique: Governo apela à união dos empresários locais para as oportunidades do gás natural

O Governo apelou aos empresários do país para se unirem no aproveitamento das oportunidades que serão geradas pela produção de gás natural, assinalando a grande procura de bens e serviços associados à actividade.

O vice-ministro da Indústria e Comércio de Moçambique, Sousa Fernando, instou o empresariado nacional a preparar-se para a demanda que será provocada pelo advento do gás natural, quando falava em Maputo durante um seminário, realizado na segunda-feira, de apresentação das oportunidades que vão ser criadas pelo projecto do consórcio liderado pela multinacional norte-americana Anadarko.

“É importante a coesão dos empresários moçambicanos, que se deve consubstanciar em associações, cooperativas ou consórcios, de modo a que estes tirem o maior proveito dos negócios que já foram anunciados”, declarou Sousa Fernando.

O desenvolvimento do projecto de gás natural pelo consórcio da Anadarko vai provocar uma grande procura de refeições, uniformes, equipamentos de protecção pessoal, transporte, serviços de comunicação, segurança, entre outros, prosseguiu o governante.

“Quando o projecto estiver no seu pico, a Anadarko irá precisar de mais de 50 mil refeições, por dia, ou sejam mais de 18 milhões de refeições por ano, pelo que será importante a nossa organização para que sejam os nacionais a tomar a dianteira nesta empreitada”, declarou.

Com estes dados na manga estão lançados os dados para que os sectores primários da produção, como a agricultura, e os sectores de transformação tenham que aprimorar os seus processos produtivos que permitam a satisfação das necessidades do projecto da Anadarko e seus parceiros, trabalhando na componente de produção e entrega em escala, qualidade e continuidade no fornecimento de bens.

Comentários