Turismo: Cabo Ledo carece de investimento

Cinco mil milhões de kwanzas é o valor necessário para a criação das condições objectivas para a real funcionalidade do Pólo de Desenvolvimento Turístico de Cabo Ledo, localizado no município da Quiçama, em Luanda, informou o seu director-geral, Jacob Moisés.

Angola /
15 Abr 2019 / 09:19 H.

Em declarações à imprensa, quinta-feira, Jacob Moisés explicou que estes montantes permitirão elaborar o plano estratégico e implementação do plano directório.

“O Pólo não está a desempenhar o seu verdadeiro papel de promoção do turismo por falta de verbas. Não há água, nem energia eléctrica, o que dificulta o trabalho dos poucos investidores do sector existentes em Cabo Lebo, que usam fontes alternativas para ter água e luz”, lamentou.

Jacob Moisés defendeu uma intervenção de facto do Governo, com cabimentação de verbas para instalar infra-estruturas necessárias ao Pólo, manter um ordenamento sustentável da área, com vista a atrair mais investidores para o projecto.

“Para terrenos urbanísticos, a Lei de Terra permite apenas cinco hectares, acima disto é responsabilidade do Titular do Poder Executivo, o que não foi respeitado”, disse Jacob Moisés, informando que as pessoas com cargos públicos, que ocuparam ilegalmente espaços no Pólo Turístico, estão a ser notificadas.