PR anula concurso público e Telstar já não é o quarto operador

Comunicado da Casa Civil do Presidente da República diz que o concurso da quarta operadora foi cancelado ( em actualização)

18 Abr 2019 / 16:38 H.

Uma nota emitada há pouco menos de uma hora, pela Casa Civil do Presidente da República, dá a conhecer o cancelamento do concurso internacional para a 4.ª operadora de telefonia móvel, que teve como vencedor a Telstar. Eis a nota na integra.

“Considerando que por Despacho Presidencial número 21-A/18, de 23 de Fevereiro, foi autorizado o Ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação a proceder à abertura de Concurso Público Internacional para a celebração do Contrato de Concessão de Serviço Público de Comunicações Electrónicas para a atribuição de um Título Global Unificado para o quarto Operador Global no sector das Telecomunicações, bem como constituir a Comissão de Avaliação para o procedimento contratual acima referido;

Tendo-se constatado ter havido da parte da empresa declarada vencedora do concurso o incumprimento dos termos das peças do procedimento, na exigência relativa ao balanço e demonstrações de resultados e declaração sobre o volume global de negócios relativo aos últimos três anos;

Com vista a assegurar um processo limpo e transparente;

O Presidente da República determina, nos termos da alínea d) do artigo 120 e do número 5 do artigo 125º, ambos da Constituição da República de Angola, conjugados com o artigo 78º do Decreto Lei nº 16-A/95, de 15 de Dezembro, e número 1 do artigo 24º da Lei número 9/16, de 16 de Junho, o seguinte:

1 – É anulado o resultado do Concurso Público Internacional para a adjudicação do Contrato de Concessão de Serviço Público de Comunicações Electrónicas para a atribuição de um Título Global Unificado para o 4º Operador Global no sector das Telecomunicações;

2- O Ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação deve, no prazo de 30 dias, instruir o expediente necessário à formalização de abertura de um novo concurso;

3- É revogado o Despacho Presidencial nº 21-A/18, de 23 de Fevereiro.”