Banca nacional ainda é confiável - ABANC

Associação Angolana de Bancos (ABANC) disse não ver nem sentir algum sinal de instabilidade no sector bancário, muito pelo contrário, há uma cada vez mais crescente estabilidade.

Angola /
11 Jan 2019 / 09:48 H.

De acordo com Amílcar Silva, que preside o organismo, a retirada da licença aos bancos Mais (BMais) e Postal (BPT), seus filiados, decorre de um normativo do regulador.

Conforme garantiu, estes procedimentos ocorrem em todas as partes do mundo e na banca em particular, porquanto a natureza da actividade financeira-bancária obedece a critérios prudenciais, sendo competência do regulador a criação e defesa do ambiente de investimento capaz de dar garantias aos depositantes de controlo rígido e protecção dos activos depositados à guarda dos bancos.

Questionado se não fazia sentido, o BNA adoptar um escalonamento dos bancos em função do seu perfil, fundos próprios e público-alvo, Amílcar Silva disse não ser o centro da questão nem fazer sentido avançar-se para estas subdivisões, até porque, conforme referiu, os bancos já estão subdivididos em função do seu objecto de negócios.

Uma coisa disse Amílcar Silva: a Abanc não foi notificada nem pelo banco central nem mesmo pelos filiados implicados. Daí manter esta algum silêncio.

Quem não tem dúvidas de que a posição do BNA foi excessiva é o também bancário Jorge Leão Peres, para quem poder-se- -ia activar outros mecanismos, sendo um deles a retirada temporária da licença e não definitiva como é o caso. Diz que a Lei das Instituições Financeiras concede outras alternativas que bem poderiam ser usadas pelo regulador, até para salvaguardar a confiança dos depositantes no sistema.