Valerie Ekoume dá apresenta concerto em Luanda

A cantora vai contar com a participação de estudantes da escola de música Obra Bella e do Liceu Francês Alioune-Blondin-Beye. Mas a primeira parte do concerto estará a cargo do autor-compositor e intérprete, Mário Rui Silva.

Angola /
22 Mai 2019 / 12:48 H.

Em alusão ao Dia da África, a Alliance Française de Luanda apresenta o concerto da franco-camaronesa, Valérie Ekoume, no Domingo, 26 de Maio, às 19h, na Casa das Artes (Talatona).

A corista de Manu Dibango, cantora francocamaronesa vai na ocasião apresentar o seu segundo opus, “Kwin Na Kingué”, editado em 2017 em colaboração com o compositor, baterista e percussionista Guy Nwogang. A artista fará participar estudantes da Escola de música Obra Bella e do Liceu Francês Alioune-Blondin-Beye.

A primeira parte do concerto estará a cargo de Mário Rui Silva, autor-compositor e interprete nascido em Luanda em 1952. Este aficcionado da música africana, realizou muitos trabalhos de pesquisa/investigação para transpor ritmos africanos para o violão.

“Kwin Na Kingué”

O novo álbum de Valérie Ekoume está enraizado nos ritmos tradicionais de Camarões como o Bikutsi ou o

Essèwè. Alem de ter colaborado durante oito anos com o lendário Manu Dibango nas banbas do Soul Makossa Gang e do Maraboutik Big Bang, a cantora já cantou com vários artistas o como Youssou Ndour, Papa Wemba, Rokia Traoré, Kaissa Doumbe, Etienne Mbappe, Coco Mbassi ou Lulendo.

Apesar de ter passado a maior parte da sua vida em França, ela afeiçoa especialmente cantar na sua língua natal, o Duala, onde ela encontra uma emoção e uma verdade que dizem muito sobre ela. Seu novo álbum, de estilo afropop, é um convite a viajar.

O concerto do dia 26 de maio irá celebrar o dia Mundial da África. Esta comemoração anual marca o aniversário da assinatura dos acordos da Organização da Unidade Africana (OUA) em 25 de maio de 1963. O objectivo principal desta organização é promover a solidariedade e a Unidade dos países africanos.

Nesta noite de celebração, a primeira parte do concerto estará a cargo de Mário Rui Silva, autor-compositor e interprete nascido em Luanda em 1952. Este aficcionado da música africana, realizou muitos trabalhos de pesquisa/investigação para transpor ritmos africanos para o violão. Estudantes da Escola de música Obra Bella e do Liceu Francês Alioune-Blondin-Beye irão apresentar-se junto com a cantora.

O mundo de Valérie

Entrar no mundo da Valérie Ekoume será uma das experiências mais interessantes e gratificantes que você pode ter. Em seu mundo colorido, Love is King e Afropop é a música que ela escolhe para expressá-lo. Depois de DJAALÉ em 2015, seu segundo trabalho, KWIN NA KINGUE, foi lançado em novembro de 2017. Neste novo álbum, e com a ajuda de Guy Nwogang cavou mais fundo em suas raízes de camarões, o resultado é Bikutsi ou mesmo Essèwè, é por isso mais dançante. Ela cresceu a ouvir vários estilos musicais, desde rumba congolesa, artistas de música pop (como Michael Jackson), até a música camaronesa. Cantores como Miriam Makeba (Mama Africa) e Whitney Houston foram, como ela os chamou de treinadores vocais virtuais, quando ela aprendeu a cantar com eles. Sua vida tomou um rumo diferente quando, em 2004, começou a trabalhar activamente com Manu Dibango no Gang Soul Makossa. Touring com este grande músico por 8 anos, foi para Valérie uma experiência mais incrível de sua vida. Em 2005, ela se juntou à Escola Americana de Música Moderna, em Paris, especializada em treinamento de músicos, onde permaneceu por 5 anos. Com muitas parcerias como Coco Mbassi, Lulendo, Dédé SaintT Prix, ALain Barriere, Maceo, Parker, Courtney Pine, Papa Wemba e um cantor da nova geração, Meiway.