Tempo - Tutiempo.net

Especialista alerta sobre a necessidade da fiscalização permanente

O Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel (SORCA) não é uma realidade em Angola. As autoridades estão aquém de uma verdadeira fiscalização, considerou o especialista em seguros e director Comercial da Confiança Seguros.

Angola /
31 Mai 2019 / 17:00 H.

Para Júlio Matias, as autoridades devem proceder a uma fiscalização mais acentuada e regular de modos a diminuir as assimetrias entre aqueles automobilistas que verdadeiramente pagam e aqueles que não cumprem com as suas obrigações.

“Não sabemos, ao certo, as verdadeiras razões de as autoridades deixarem de fiscalizar de forma permanente este seguro, porque este facto encoraja a condução ilegal e deixa de regular aqueles que se furtam em subscrever as apólices de seguro automóvel”, disse.

Júlio Matias nota igualmente que o fraco índice de educação financeira existente no País, a má qualidade dos serviço prestados por algumas seguradoras, os inúmeros encargos diários dos cidadãos e outros factores de índole económica e financeira, contribuem para o afastamento na subscrição deste seguro e outros serviços afins. Como refere o também director adjunto para área académica da Academia de Seguros e Fundo de Pensões (ASFP), o incumprimento da subscrição deste seguro, que é de carácter obrigatório, não é um problema isolado, mas sim conjuntural.

Júlio Matias entende que é preciso que, cada vez mais, tenhamos consciência da sua importância e é apologista de uma mudanças de consciência no sentido de cada cidadão assumir o seu papel na sociedade. “Assistimos que mesmo sendo de carácter obrigatório, os particulares e empresas furtam-se a pagar este seguro, colocando em risco inclusive a sua própria vida” disse.

O entrevistado sublinha que muitos automobilistas alegam não ter dinheiro para contratar uma apólice de seguro, mas têm dinheiro para comprar uma viatura , chegando a custear despesas decorrentes de acidentes quando poderiam contratar um Seguro.

Leia mais na Edição 208 do Jornal Mercado, já nas bancas!