E qual é a cidade africana mais segura e com melhor qualidade de vida?

Porto Luís nas Ilhas Maurício volta a liderar o ranking, onde Luanda mantém a posição 199 das 231 cidades que fazem parte do estudo da Mercer.

Luanda /
13 Mar 2019 / 09:04 H.

Uma vez mais, Porto Luís (83º), nas ilhas Mauritius, foi a cidade africana com melhor qualidade de vida e também a mais segura (59º) em 2018. Bem perto estão as cidades sul-africanas tais como Durban (88º), Cidade do Cabo (95º) e Joanesburgo (96º), apesar destas ainda registarem rankings baixos no que se refere à segurança pessoal. Questões relacionadas com a escassez de água na Cidade do Cabo contribuíram para que caísse um lugar este ano. Luanda mantém a posição 199 na qualidade de vida e a posição 181 na segurança social.

No fim do ranking, Bangui (230º) registou o pior resultado do continente e também o mais baixo relativamente à segurança pessoal (230º). O progresso da Gâmbia na direcção de um sistema político democrático e a melhoria das relações internacionais e direitos humanos fizeram com que Banjul (179º) tivesse a maior melhoria na qualidade de vida em África, como também no mundo, tendo subido seis lugares este ano.

E no topo das melhores cidades do mundo...

As cidades europeias continuam a ter a qualidade de vida mais elevada do mundo com Viena (1º), Zurique (2º) e Munique (3º) a ocuparem o primeiro, segundo e terceiro lugares na Europa, mas também no Mundo. 13 cidades do top 20 são europeias. As principais capitais europeias como Berlim (13º), Paris (39º) e Londres (41º) permaneceram estabilizadas no ranking deste ano, enquanto Madrid (46º) subiu 3 lugares e Roma (56º) subiu um. Minsk (188º) Tirana (175º) e São Petersburgo (174º) permaneceram como as cidades com o ranking mais baixo na Europa este ano, enquanto Sarajevo (156º) subiu três lugares devido à queda de crimes reportados.

A cidade mais segura da Europa foi Luxemburgo, seguida de Basileia, Berna, Helsínquia e Zurique, reunidas em segundo lugar. Moscovo (200º) e São Petersburgo (197º) foram, este ano, as menos seguras na Europa. As cidades que mais caíram no ranking na Europa Ocidental entre 2005 e 2019 foram Bruxelas (47º), devido aos ataques terroristas recentes e Atenas (102º), reflectindo a sua recuperação lenta da convulsão económica e política, em seguimento da crise financeira mundial.

Lisboa, encontra-se este ano na 37ª posição, tendo subido uma posição relativamente ao ano passado,. Esta classificação permite-lhe estar acima de cidades como Paris (39ª), Londres (41ª) ou Nova Iorque (44ª). Contudo, o grande salto da capital portuguesa verifica-se no ranking da Segurança. Neste, Lisboa encontra-se na 31ª posição, subindo 12 lugares relativamente a 2005, onde se encontrava em 43º.

E as Américas?

Na América do Norte, as cidades canadianas continuam a reflectir os valores mais elevados, com Vancouver (3º) a registar o ranking mais elevado de qualidade de vida em geral, mas a partilhar o lugar com Toronto, Montreal, Ottawa e Calgary no que se refere a segurança. Todas as cidades norte americanas abrangidas pela análise caíram nos rankings deste ano, com Washington DC (53º) a ter a maior queda. A excepção foi Nova Iorque (44º) que subiu um lugar - visto a taxa de criminalidade na cidade continuar a baixar. Detroit mantém-se a cidade norte americana com a qualidade de vida mais baixa este ano, enquanto a capital haitiana Porto Príncipe (228º) é a mais baixa de todo o ranking americano. Questões de estabilidade interna e demonstrações públicas em Nicarágua fizeram com que Manágua (180º) caísse sete lugares no ranking de qualidade de vida este ano e a violência associada a cartéis e às elevadas taxas de criminalidade fizeram com que o ranking do México, de Monterrey (113º) e da Cidade do México (129º) permanecesse baixo.

Ásia com um ranking muito instável

Na Ásia, Singapura (25º) apresenta a melhor qualidade de vida, seguida por cinco cidades japonesas como Tóquio (49º), Kobe (49º), Yokohama (55º), Osaka (58º), e Nagoya (62º), e depois Hong Kong (71º) e Seoul (77º), que subiram dois lugares este último ano graças ao retorno da estabilidade política. No que se refere à segurança pessoal, de todas as cidades do Este e Sudeste Asiático, Singapura (30º) registou o melhor ranking e Phnom Penh (199º) o pior. A segurança continua a ser um problema nas cidades centro asiáticas como Almaty (181º), Tachkent (201º), Asgabat (206º), Dushanbe (209º) e Bichkek (211º).

Já Dubai (74º) continua a registar o ranking mais elevado em todo o Sudeste Asiático quanto à qualidade de vida, seguida de perto por Abu Dhabi (78º); enquanto Sanaa (229º) e Bagdade (231º) contam com o pior registo na região. A abertura de instalações de lazer como parte do Saudi Arabia’s 2030 Vision, fez com que Riade (164º) subisse uma posição este ano. Uma queda na taxa de criminalidade e a ausência de incidentes terroristas nos últimos 12 meses fez com que Istambul (130º) subisse quatro lugares. As cidades mais seguras do Sudeste Asiático são Dubai (73º) e Abu Dhabi (73º). Damasco (231º) é a cidade menos segura, tanto no Sudeste Asiático como no mundo.

Nova Zelândia e Austrália continuam com um ranking de qualidade de vida elevado, com Auckland (3º), Sidney (11º), Wellington (15º) e Melbourne (17º) a permanecerem no top 20. As principais cidades australianas marcam todas presença no top 50 de segurança, com Auckland e Wellington no topo do ranking de segurança na Oceânia, juntas em nono lugar.

Uma nota final sobre o estudo. O Quality of Living da Mercer mostra que muitas cidades em todo o Mundo ainda oferecem ambientes atractivos para fazer negócios. As cidades melhores pontuadas são as que perceberam que a qualidade de vida é uma componente essencial no que se refere à atractividade de negócios e à mobilidade de talento.