Crise facilitou crescimento da consultora Alien Group 

Por: Edjail dos Santos 

O factor crise foi benéfico para a Alien Group na medida em que originou uma maior procura a nível nacional por fornecedores locais e por serviços disruptivos sem custos recorrentes em divisas, o que consequentemente, não obstante durante esse período de fragilidade económica, lhes permitiu obter mais receitas e liquidez financeira.

A consultora de IT assume o papel de acelerador de projectos de sectores críticos como é o caso da banca e telecomunicações. “O foco da Alien Group é a solução. A nossa verdadeira área é a de resolver desafios que estejam dentro do nosso âmbito de trabalho, pensado sempre fora da caixa. Temos clientes na área da Banca, Telecomunicações, retalho, até consultoras”.

Oferecem serviços de consultoria nas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC’s) e uma solução de gestão integrada que permite às empresa crescer à medida do tempo. “Este último sistema permite gerir a empresa em todos os aspectos, desde Contabilidade, Recursos Humanos, CRM/Vendas, Compras, Armazém, Ponto de Venda, entre outras soluções, o que torna diferenciado é a possibilidade de personalização ser realizada pela nossa equipa em Angola”.

Ainda no âmbito dos ganhos, a “qualidade e excelência”, para os gestores da firma, é o motivo que os catapultou para que desde cedo servissem mercados internacionais como são os casos de Portugal, Dubai, Lituánia e Holanda.

“Fruto precisamente do crescimento dos projectos estrangeiros, os sócios Aires e Alaney fundaram na Holanda a ActivForce, uma empresa dedicada no auxílio de outras empresas de IT na materialização dos seus projectos”, exemplificam.

Graças a estratégia de actuar em outros mercado a administração da empresa garante que conseguiu manter-se de pé no mercado sem que nunca tenham recorrido ao financiamento bancário.

Leia mais na edição 176 do Jornal Mercado, já nas bancas!

Comentários